Os planos e os sonhos de nossas vidas

Nos primeiros artigos postados todos os anos no mês de janeiro, o Blogueiro costuma focalizar os caminhos que os candidatos verão surgir, quer tenham sido aprovados, quer não tenham conseguido atingir essa meta. Para os que forem aprovados em algum vestibular, abrem-se os novos horizontes, tão buscados. Para os que apenas treinaram, a experiência trará a certeza de que, no próximo concurso vestibular, as possibilidades serão muito altas. Já aqueles que, infelizmente, quer seja pela primeira vez, quer seja pela segunda ou terceira, não atingirem a classificação, sentirão frustração e desânimo, talvez porque, equivocadamente, imaginarão os horizontes se fechando. Nada disso. Para quem deseja e luta pelo que deseja, os horizontes  sempre estão abertos.

Ora, o que se diz no parágrafo anterior é apenas o óbvio, e por isso requer uma leitura em mais de uma linha de significação. Em primeiro lugar, é preciso dizer que a aprovação num exame vestibular não deve ser considerada, apesar de toda a alegria, mais que uma aprovação em exame vestibular. É uma abertura de caminho, um ponto de chegada, não é ainda a chegada. Esta só virá após muitos anos de esforço nos bancos acadêmicos, nos estágios e empregos, nas tentativas de trabalho autônomo, até que, por fim, o indivíduo possa dizer, diante dos resultados alcançados: Consegui ser, de fato, um cidadão exemplar e um profissional muito bem realizado e sucedido, respeitado no meio em que trabalho. Considero-me aprovado, finalmente, no vestibular da vida.

E aqueles que não forem aprovados? Após o natural período de tristeza, manda a experiência levantarem a cabeça e partirem novamente para a luta, tendo em mente que as maiores vitórias costumam surgir após as maiores derrotas e nem sempre os que partiram primeiro serão os primeiros a chegar. Às vezes nem chegam, desistem e buscam outros caminhos. Em todos os países há numerosos profissionais que, diplomados em algum curso, acabaram trabalhando em profissões completamente distintas, para as quais nem teria sido necessário o curso que fizeram. E são felizes nesses trabalhos em que jamais haviam pensado.

O Blogueiro está colocando esta questão não apenas para animar os que não conseguirem a aprovação após a divulgação dos próximos resultados, mas também para demonstrar que a vida é riquíssima em oportunidades, Muitas pessoas acreditam que escalar uma montanha até o cume será a sua felicidade, mas acabam descobrindo a felicidade no meio da escalada, ou até mesmo após, em algum fator que não haviam previsto nem buscado anteriormente.

É preciso não confundir, porém, estas diferentes possibilidades como uma desculpa para desistir dos objetivos. A luta principal deve ser sempre para atingi-los, sem contudo considerar de modo radical que será essa conquista a realidade maior da vida. Muitíssimas vezes não o será.

Por tudo isso, tanto você, que tiver resultado positivo, quanto você, que tiver resultado negativo, não considerem estes fatos como definitivos. São apenas partes dos planos da vida. Se você passou, olhe para a frente e ande com cuidado, sabendo que terá muito caminho ainda a andar. Se você não passou, olhe para a frente, não desista, refaça seu sistema de estudo e comece a executá-lo desde agora, procurando sentir-se como um candidato que realizará seu primeiro vestibular. E nunca diga ou maldiga: Vou desitir! Acho que não nasci para isso! Nasceu, sim. Pelo simples fato de desejar, você comprova que nasceu para isso. Só precisa de um pouco mais de tempo, método e esforço para consegui-lo.

A vida é cheia de planos; os jovens são cheios de sonhos; lá bem à frente haverá um plano que fará par perfeito com o sonho de cada um.

Acredite na vida, no sonho e, sobretudo, em você mesmo.

Deixe um comentário