Cinco atitudes que o estudante não deve ter

Todos sabem que a melhor forma de motivação é a positiva, é mostrar as vantagens, as conquistas, as vitórias, os prêmios que se podem obter com uma dedicação maior ao estudo ou ao trabalho. Focalizar o aspecto negativo, todavia, algumas vezes pode ter utilidade, talvez até grande utilidade. É o que acha este Blogueiro, sempre preocupado com o sucesso de todos os vestibulandos. Se pudesse, ele faria o milagre de criar vagas para todos os candidatos. Infelizmente, o mundo ainda não é capaz de oferecer tudo o que as pessoas anseiam. Por isso, em numerosos campos de atividade, os indivíduos estão mergulhados em concorrência permanente. E, muitas vezes, dura concorrência.

Assim, o Blogueiro desta vez não sugere o que deve o candidato fazer; recomenda o que não deve. Não se trata, é claro, como diz o povo cristão, de ensinar o padre a rezar missa, mas de explorar mais um viés para ajudar os candidatos em sua tarefa verdadeiramente hercúlea.

Afinal, o que não deve fazer o candidato, quer em concursos profissionais, quer em vestibulares? O Blogueiro imagina poder sintetizar em cinco atitudes.

Primeira atitude – Deixar de acreditar no sucesso. De jeito nenhum! Jamais deixe de acreditar no sucesso, caro vestibulando, porque a vitória não é algo que se recebe, é algo que se conquista pelo esforço e pela dedicação pessoal. Pode demorar, mas virá. Fora com todos os pessimismos e derrotismos!

Segunda atitude – Limitar-se às apostilas escolares ou do curso pré-vestibular. Nem pensar, meu caro! Por mais bem feitas que sejam as apostilas do ensino médio ou do cursinho, nem sempre contêm elas os melhores conceitos, os melhores exemplos, as mais fáceis explicações. Não se limite a isso. Há ene apostilas de ene cursos, muitas vezes abandonadas em casas de parentes ou conhecidos. Busque obter algumas. Consulte-as sobretudo naqueles pontos em que as suas não dão conta de resolver dúvidas. Uma delas dará. Certo pesquisador disse ao Blogueiro um dia que, mesmo fazendo pesquisa na universidade, não desprezava livros e apostilas escolares, pois algumas vezes tinha neles e nelas encontrado melhores explicações e exemplos do que em tratados universitários.

Terceira atitude – Subutilizar a internet. Esta atitude é pouquíssimo moderna. Sabe você o que é subutilizar? É usar um equipamento bem abaixo das possibilidades de uso que esse equipamento apresenta. É não tirar todo o proveito, todas as vantagens que um instrumento nos oferece. É subaproveitar algo. Entendeu? Então, nada de subutilizar a internet, que é o grande instrumento da comunicação, da informação e do conhecimento hoje, em nosso planeta. É bom jogar uns gamezinhos? É. É bom passear nas redinhas ou redonas sociais? Claríssimo que é. Mas, convenhamos, ficar só nisso é como pedir para um mamute carregar uma caixa de fósforos vazia! A internet chegou a tal ponto que uma pessoa que nada sabe de Matemática pode tornar-se um matemático de primeira, navegando pelos sites que oferecem de graça conhecimentos e exercícios. Se todos os seus livros e apostilas não lhe resolveram as dúvidas, em algum ponto da rede você resolverá. Nossos pais e avós, muitas vezes, lamentavam-se por não haver lido, em sua juventude, determinados livros que lhes seriam importantes no futuro. Imagine o que nós não reclamaremos no futuro se fizermos uma subutilização daquilo que se oferece na web?

Quarta atitude – Não troque livros por resumos. Resumos foram escritos conforme o ponto de vista de quem resumiu. Resumir, de certo modo, é distorcer. Leia, entenda e resuma você mesmo. A propósito, não leia por obrigação. Faça da leitura de livros de qualquer natureza um hábito para toda a sua vida. Quem não lê não cresce intelectualmente, marginaliza-se com relação aos principais problemas que envolvem o homem e a sociedade. Os livros de todos os gêneros e assuntos são uma herança cultural, civilizacional muito grande a que não podemos renunciar. Com e-readers e tablets, hoje não há mais desculpas para deixar de ler. O Blogueiro está neste momento na metade da leitura de um livro sobre a Idade Média verdadeiramente fantástico, que esclarece numerosos pontos sobre esse período da História da Humanidade.

Quinta atitude – Nos dias de provas, não menospreze a Lei de Murphy, cujo principal postulado é: Tudo o que pode dar errado dará. Prepare-se para o dia. Verifique diariamente os documentos que apresentará para ingresso nos locais de provas. E planeje até como conduzir em segurança no dia das provas esses documentos, no bolso da calça, da blusa, da camisa. Onde estarão mais seguros, inclusive em caso de um pequeno acidente? E nessa história do trajeto, imagine sempre que é melhor chegar muito cedo que um pouquinho tarde. Em tempo: não banque o faquir. Você é um ser humano comum. Para desempenhar bem suas atividades, precisa estar bem alimentado, bem nutrido, com a saúde em dia.

Estão aí as motivações de hoje. Todas começam com um não faça e terminam com um faça, o que equivale a dizer que o aspecto negativo é apenas um modo de chamar atenção para o positivo. Pense bem e acrescente outras que foram aqui esquecidas. E quando prestar seu vestibular, passe bem.

 

Leave a Reply