A vida não caminha para trás

Enquanto você espera o resultado de seu vestibular, com a expectativa de ler seu nome na lista dos candidatos classificados, certamente encara o futuro com o otimismo característico de quem venceu a luta e espera apenas os louros da vitória. Vez por outra, porém, lhe passa pela cabeça um pensamento pessimista: E se eu não for chamado? Esta simples possibilidade soa como verdadeira catástrofe.

Seria mesmo? Nem tanto. Claro que não é algo lá muito confortável deixar de ser classificado em exame vestibular ou em qualquer outro concurso. Mas isso tem de ser encarado com o devido realismo, lembrando-se sempre que realismo não é sinônimo de pessimismo. Você não passou. E daí? Ora, em primeiro lugar, em vez de desesperar-se, deve supor que é provável haver segunda chamada. Como são muitos os vestibulares, o preenchimento das vagas se transforma, por vezes, em verdadeiro jogo de tabuleiro em que as peças vão mudando de lugar: umas que estavam aqui passam para lá, outras que estavam ali se deslocam para acolá. Nesse jogo você não é ingênuo, não arriscou numa só possibilidade, há outros resultados a sair ou outros que já saíram, nos quais obteve a vaga.

Imagine-se, porém, que seu nome não surja na segunda ou terceira chamadas justamente do curso e da universidade que pretendia. Calamidade? Nada disso. Apenas um fato concreto. Os exames vestibulares de universidades públicas são, além de classificatórios para o preenchimento das vagas, excelentes instrumentos de avaliação e autoavaliação. As razões para receber ou não aprovação são objetivas, claras, é só rever o que fez e verificar em quais matérias e conteúdos seu desempenho deixou a desejar. Algum colega seu, ao ouvir que você está fazendo essa autoavaliação, talvez comente: Deixe disso! O negócio é olhar para a frente, não para trás! Há apenas meia verdade nesta frase, porque, em nossa vida, muitas vezes temos de analisar o que fizemos para poder planejar o que teremos de fazer. E esse processo não deve ser feito com pessimismo, mas com realismo. Analisar com frieza nosso desempenho e nossos erros é parte integrante e necessária de uma concepção otimista de nossas possibilidades. Em nossas caminhadas na vida, seja no sentido próprio, seja no sentido figurado, nunca tropeçaremos duas vezes na mesma pedra, porque a partir da segunda vez a desviaremos, nem tampouco tentaremos atravessar um rio sem avaliar adequadamente a profundidade.

O Blogueiro está sendo pessimista demais sobre as suas possibilidades e por certo você será classificado? Que assim seja. Se pudesse, por um passe de mágica, aprovar todos os candidatos, o Blogueiro certamente o faria, porque seu coração, como diria o Drummond, é maior que o mundo. Mas se assim não for e a vaga não vier, nada de ver nesse evento um desastre. Uma aprovação é um fato e uma reprovação é um fato. E nós sempre aprendemos alguma coisa com todos os fatos que nos ocorrem. Não tenha dúvida a esse respeito. Você sempre está aprendendo com suas experiências e transformando erros em acertos e fracassos em sucessos. De um modo ou de outro, você atingirá em sua vida todos os objetivos sonhados, desde que tenha determinação e atitude permanente e imparcial de autoavaliação.

Por outro lado, se, de um modo ou de outro, em primeira ou segunda ou até terceira chamadas, sua vaga chegou, festeje, mas não em excesso. Sua situação, afinal, não é tão diferente daquela de quem não foi aprovado: há um universo de eventos no horizonte aguardando sua atuação e atitude. Um colega seu que não tenha obtido a vaga está apenas um passo atrás com relação a esse horizonte, mas no próximo ano pode dar o passo restante e – quem sabe? – até ultrapassar você no futuro, quer ao longo do curso, quer ao longo da vida profissional.

Percebeu? Esta é uma lição muito proveitosa: com vaga ou sem vaga, é preciso sempre continuar acreditando em si mesmo e em suas possibilidades e usar toda a sua garra. A História nos demonstra que, muitas vezes, uma vitória conduz ao fracasso, enquanto uma derrota conduz ao sucesso. Tudo depende do modo como são encaradas e avaliadas vitórias e derrotas.

É isso aí! Qualquer que seja o resultado, nada de otimismo em excesso, nada de pessimismo. Lembre-se a todo momento que um passo sempre vem depois do outro. E a vida não caminha para trás!

 

Deixe um comentário