São Paulo e suas universidades pujantes

Você talvez estranhe um pouco o adjetivo pujante, não muito usado na comunicação corriqueira, que se aplica, porém, de modo admirável à definição das universidades do estado de São Paulo. Significa, segundo o Aurélio, que tem grande força; possante; que tem poderio; grandioso, magnificente, denodado; altivo, altaneiro, brioso. Todos os anos, candidatos de todas as partes do país que buscam vagas nas universidades paulistas são prova viva dessa força.

O Brasil foi considerado, ao longo de sua história, um país dotado de pujança, isto é, vigoroso, possante. E não sem motivo: desde o Descobrimento,  embora os estrangeiros julgassem que seria para sempre um mero território colonizado, campo de exploração predatória do Hemisfério Norte, seus habitantes viam que a grandeza territorial e a formação de sua população conduziam ao caminho da independência e do progresso, para se tornar hoje uma das maiores economias do mundo, uma nação conhecida por suas magníficas realizações nos campos da arte, da tecnologia, da cultura em geral. Prova disso é o equilíbrio econômico de que desfruta na atualidade, enquanto países da Europa e de outras partes do mundo lutam para sair da bancarrota.

A criação da Unesp, em 1976, foi saudada pela maioria da população como um novo passo no ensino superior, já que formada pela união de faculdades e institutos isolados espalhados por boa parte do território de São Paulo. Criava-se, assim, uma universidade com grande abrangência geográfica. A disparidade de municípios e instituições, que poderia representar fraqueza, foi fator de dinamismo e força, como imaginavam os visionários responsáveis por seu planejamento e instauração. A nova universidade não apenas cresceu e se desenvolveu, mas cresceu e se desenvolveu muitíssimo bem, mantendo frutífero intercâmbio com Usp e Unicamp, fundadas anteriormente. E se tornou também uma instituição superior modelar.

Temos em São Paulo, deste modo, um sistema universitário público em permanente desenvolvimento. A este veio somar-se a Univesp, que, como universidade virtual, opera no sentido de ampliar e diversificar a oferta de ensino superior semipresencial, em ampla colaboração com suas três coirmãs.

Se você, quer seja paulista, quer provenha de outros estados, receber aprovação num dos três vestibulares, considere-se realmente afortunado. Nosso estado é  considerado desde há muito tempo pujante, responsável por boa parte do progresso atual do país. E suas universidades têm e terão papel relevante para que esse quadro só faça aumentar e aperfeiçoar-se.

Bom para São Paulo, bom para suas universidades, bom para os estudantes que as procuram visando formação superior de altíssima qualidade.

 

 

Deixe um comentário