Controle suas respostas, 3

No texto anterior, você examinou quatro exemplos de respostas a uma mesma pergunta de vestibular, classificadas segundo o padrão apresentado no livro Língua portuguesa no vestibular da Unesp: das perguntas às respostas. Você observou, assim, uma resposta precisa e uma resposta suficiente, que receberam nota integral; assim também uma resposta abundante e outra prolixa, que, pelos elementos excessivos apresentados, nem sempre recebem nota integral, pois o aumento desnecessário da extensão da resposta por vezes prejudica sua clareza.

Hoje você poderá estudar outros tipos de resposta à mesma pergunta sobre o que Darcy Ribeiro denominou “guerra biológica”. Para facilitar, vale a pena retomar a resposta precisa, apontada no texto anterior: “A ‘guerra biológica’ à qual Darcy Ribeiro se refere diz respeito à pouca resistência dos índios às doenças desconhecidas trazidas pelos europeus. A “guerra” se travaria entre os agentes patogênicos europeus e o sistema imunológico nativo. Com parte da população indígena dizimada pelas pestes, a conquista se tornaria mais fácil.

Leia agora, com muita atenção, respostas que tiveram perda parcial ou total da nota, em virtude da intervenção de fatores negativos no momento da redação, sempre lembrando que tais respostas estão transcritas ao pé da letra:

 

  • Complicada – Haviam ali, fungos, bactérias, vírus etc., causadores de tais doenças. Que era no entanto uma guerra entre o homem e essas entidades. É também a própria aglomeração de tantas doenças em um território limitado, onde os mais fortes sobreviviam por outro lado os indefesos, morriam.

 

O candidato revela, por esta resposta, que não leu adequadamente o texto e o enunciado da questão, pois desde o início desvia o foco do problema para o ambiente natural, que seria criador de elementos patogênicos, e para uma suposta guerra entre o homem e esses microorganismos. Deste modo, complicou-se inteiramente. Na realidade, parece estar respondendo outra questão, e não a que foi realmente feita.

 

  • Lacônica – De um lado estavam os brancos com doenças perigosas, transmissíveis e de outro estavam os índios inocentes que não sabiam o que era aquilo.

 

O laconismo é um problema de discurso apontado desde a antiguidade clássica: consiste em expressar-se com economia verbal excessiva, de sorte que parte da mensagem fica apenas subentendida, quando não obscurecida. A resposta acima apresenta exatamente essa característica: o candidato preocupou-se tanto com o núcleo da questão, que não percebeu ser necessário um pouco mais de discurso para demonstrar que sabia a resposta certa. Respostas lacônicas, como essa, ficam dependentes da interpretação de quem corrige. Não representam, assim, um bom caminho.

 

  • Incompleta – Que os brancos passaram para os índios várias doenças biológicas, que até então os indígenas não conheciam.

 

A resposta acima, à primeira leitura, parece lacônica. Na verdade, está incompleta, pois falta maior menção ao sentido de “guerra”, que aponta para o aspecto conquistador dos europeus e que está na raiz da pergunta.

 

Insegura – Seria o confronto entre os índios saudáveis e os brancos impregnados de doenças. Vivendo no meio da natureza por vários anos os índios não estavam imunes as doenças do velho mundo que seriam trazidas pelos europeus. Dessa forma, os índios morreriam facilmente com qualquer doença, até mesmo as mais fracas gripes. Esse fator seria decisivo para a dizimação dos nativos.

 

A insegurança é natural em exames vestibulares, dado o grande peso de responsabilidade que os candidatos carregam. Estes, todavia, devem precaver-se para não expressá-la em suas respostas, o que pode ser bastante prejudicial à clareza. O candidato que escreveu a resposta acima revelou sua insegurança ao usar o futuro do pretérito quatro vezes. Ao iniciar com “seria”, escapa de assumir a interpretação com um “É’. E, no último parágrafo, ao empregar novamente “seria”, parece ainda vacilar em assumir uma resposta mais decisiva. Resultado: o que disse mesmo a respeito do significado de “guerra biológica”?    

 

  • Ingênua – Guerra Biológica, significa que haveriam confrontos de varias doenças e virus, ocorrendo desse modo mutações biológicas.

 

Esta resposta é reveladora não apenas de leitura desatenta dos textos e do enunciado da questão, como também de certa falta de malícia do candidato ao focalizar a expressão “guerra biológica” sem relacioná-la com a questão histórica da colonização do Brasil pelos portugueses e do que isso implicou, inclusive em termos de dizimação das populações indígenas pelas doenças. Perdendo esta perspectiva, o candidato investiu apenas na questão biológica, inventando uma resposta completamente divorciada da natureza do texto analisado.

 

  • Equivocada – No texto de Darcy Ribeiro, “guerra biológica”, exprime um significado de que para eles tomar posse, teria que lutar com as doenças existentes, e também com os índios, que para eles também biológicos, porque viviam com os animais.

 

Esta resposta inverte o foco da questão, colocando os portugueses como vítimas de doenças existentes entre os índios, e não o oposto, além de colocar ainda mais equivocadamente a natureza destes. Esses dois equívocos tornaram inteiramente incorreta a resposta.

Nestes três artigos sobre os tipos de respostas, portanto, você deve ter chegado à conclusão de que é preciso muito, muitíssimo cuidado ao redigi-las. Sob este ponto de vista, nada desculpa a distração, o descuido, o mau entendimento do texto e do enunciado das questões. Nos grandes vestibulares do país, o enunciado das questões é elaborado de modo a fornecer ao candidato todas as pistas importantes para obter as respostas. Que deve fazer o candidato para corresponder a esse cuidado dos elaboradores? Ter atenção ao ler e caprichar ao escrever. E muita cautela, principalmente quando achar que a questão é fácil. As questões aparentemente fáceis devem ser lidas tantas vezes quanto as difíceis, porque a suposta facilidade pode resultar de uma falha na primeira leitura. E é muito mais dolorido errar questões fáceis, devido a uma leitura apressada, do que não saber a resposta a questões difíceis. Como reza o ditado, cautela e caldo de galinha nunca fizeram mal a ninguém.  

4 comentários para “Controle suas respostas, 3”

  1. André G. Pavan disse:

    Impossível comentar em todos os posts, mas com certeza foram de grande ajuda para os vestibulandos. Tomara que o blog continue em atividade nos próximos vestibulares. Parabéns a toda a equipe responsável!

  2. Felipe Assis disse:

    De fato, é muito interessante o intuito desse blog. Essa aproximação com o vestibulando ajuda a diminuir a tensão, além de mostrar que a universidade está engajada num diálogo com seu público. Parabéns e obrigado.

  3. oieeee eu adoro muito o blog
    pois eu é bastante importante
    para os vestibulando……
    adoooooro

  4. eu adooooooooro muito o blog
    s2s2s2s2s2s2s2s2s2s2s2s2s2s2

Deixe um comentário