Novas dicas para uma boa redação

Na semana passada, você recebeu cinco dicas para a prova de redação. Observe agora as outras cinco, igualmente importantes.

6 – Como ficou claro na dica de número 5, dissertar não é expor o “eu”, mas apresentar argumentos em defesa de uma opinião. Então reflita: numa dissertação, o “eu” não se exibe, exibe-se uma argumentação. “Exibir-se”, porém, neste caso, não é vestir o texto como um candidato a concurso de fantasias no Carnaval. Um leitor do Blog mencionou este fato, que é vital nas redações dissertativas: o discurso da dissertação tem de ser simples, claro e eficiente. Nada de empregar vocábulos raros e pomposos apenas para exibir domínio de vocabulário; nada de assumir afirmações inflexíveis em tom de grande especialista na matéria, mas tão somente desenvolver uma argumentação para justificar o ponto de vista assumido. Quando dissertamos, o objetivo é um só: demonstrar a viabilidade da opinião que manifestamos. Discursos ornamentados, cheios de vocábulos raros e difíceis e de atitudes de alto conhecimento acabam por perturbar a argumentação e produzir o pior defeito em termos de redação, que é o da prolixidade, ou seja, o emprego de um discurso complicado, cheio de belas palavras, para não dizer nada.

 7 – Rascunho é um instrumento muito útil. Em alguns concursos, sugere-se que os candidatos evitem fazer rascunho, para não perder tempo. Na verdade, este conselho não é dos melhores. O rascunho é instrumento muito útil para qualquer tipo de texto. Por quê? Porque é da própria natureza do ato de escrever fazer mais de uma versão até atingir a versão considerada definitiva. No caso do exame vestibular, a premência do tempo pode impedir o candidato de fazer o rascunho. Neste caso, deve pensar com cuidado e escrever com atenção. Entretanto, se o candidato resolver as questões sem perder muito tempo, será bastante aconselhável que faça um rascunho, no local designado. Esse rascunho poderá receber uma nova leitura para corrigir eventuais erros, eliminar repetições ou para acrescentar passagens novas. Assim, quando passada a limpo, a redação apresentará maior consistência e estará livre dos lapsos que normalmente qualquer escritor comete na primeira redação de seus textos.

 8 – Quando estiver escrevendo, ocupe-se apenas em argumentar para demonstrar seu ponto de vista. Não se preocupe se a Banca tem ou não a mesma opinião. Isso não interessa. A Banca não julgará sua opinião, mas apenas sua capacidadade de apresentar uma opinião por meio de um discurso coeso e coerente. Num tema de redação como, por exemplo, “A pena de morte”, a Banca não julgará se você se manifesta contra ou a favor, mas se, assumindo uma posição, é capaz de apresentá-la competentemente em língua portuguesa culta contemporânea. Para simplificar: não pense na Banca ao escrever, pense que está escrevendo para demonstrar sua opinião a qualquer leitor.   

 9 – Não esqueça: um texto é um todo completo e fechado, dotado de um sentido completo e fechado. É isso o que querem dizer seus professores ao ensinar que um texto tem de ter começo, meio e fim, ou seja, introdução, desenvolvimento e conclusão. A introdução é importante, pois é o modo como você vai colocar sua opinião; o desenvolvimento ou corpo da redação é importante, porque nele você tentará apresentar os argumentos favoráveis ao seu ponto de vista; a conclusão é a laçada final, o fecho, o remate.

 10 – E agora a mais importante de todas as dicas: se pode escrever bem sobre um assunto que se conhece bem. Parece uma obviedade, mas não é. Se você detesta futebol e nunca quis saber nada sobre futebol, não poderá escrever uma redação para demonstrar que tem conhecimento sobre futebol, porque não tem. Poderá até escrever uma redação demonstrando que odeia futebol, mas, se não for esse o tema solicitado no exame, sua redação será recusada. Por isso, seus professores recomendam sempre que leia, que seja leitor habitual de livros, jornais, revistas. Quem lê habitualmente reforça o que já sabe e ganha novos conhecimentos. Assim, se um candidato verifica que os vestibulares da Unesp sempre pedem para a redação temas do cotidiano, do conhecimento dos estudantes dos ensinos fundamental e médio, deve preparar-se para isso, procurando ler mais sobre esses temas em jornais e revistas, bem como na internet, que é um verdadeiro banco de dados sobre qualquer assunto.

 Releia as dez dicas e tente descobrir em que aspectos você pode melhorar seu desempenho. E, sobretudo, tenha sempre em mente que escrever é um hábito: escreva habitualmente, imagine temas possíveis ou verifique temas apresentados em exames vestibulares e faça redações. Um bom escritor não é aquele que tira misteriosamente de sua cabeça belas redações, mas aquele que, por praticar habitualmente, é capaz de escrever cada vez mais belas redações.

Pratique sempre. E não esqueça: seu bom desempenho no vestibular não acontecerá por acaso, mas por seu esforço pessoal de aprender e determinação de ampliar suas competências.

9 comentários para “Novas dicas para uma boa redação”

  1. Wel disse:

    Eu não sei quem escreve esse blog. Sinto que é uma mulher.
    Enfim, o que eu sei é que há uma química entro o blogueiro e nós estudantes. Essa pessoa escreve como se fosse nosso melhor amigo. Ele entende o que a gente passa num momento tão intenso como o do vestibular. Muito obrigado UNESP! Esse blog, com certeza, é o melhor dos mais de 100 que eu já li. Por favor, depois do vestibular, continuem postando. O mais incrível, é que nenhuma outra universidade consegue ser tão humana! Amo vcs, Unesp e blogueiros.

  2. Christian Moreira da Silva disse:

    Equipe VUNESP,
    Parabéns pela iniciativa.
    É certo que ajudará muito aos candidatos à conquista de sua vaga na Universidade.
    Abç,
    Christian Moreira Silva

  3. Tales disse:

    Sinceramente gostei não só do blog mas também da iniciativa de aproximação com os vestibulandos; mas, porém, entretanto, todavia, no entanto, tenho certas incertezas -aproveitando a aproximação virtual-, não quanto ao blog, mas quanto ao vestibular . Vamos enumerá-las:

    - Sei que cada ponto é valioso no vestibular, cada centésimo conta – e muito-, e que a maneira como os elaboradores distribuem a pontuação de acordo com a disciplina explicíta o perfil do candidato que desejam na universidade.Vamos encurtar um pouco o caminho: qual o motivo da queda de peso da redação no vestibular UNESP 2010? Corrijam-me se estiver errado, mas se a redação tem um valor total de 28 pontos em um prova de 200, seu valor não seria 14% da nota final? Não é pouco?

    -Segunda ( está mais para um pedido do que dúvida): sobre a prova de habilidades do curso de design, gostaria de saber a razão da nota, ao ser divulgada, vir integral (destoando da prova a qual é dividida em duas etapas). Tal processo dificulta a localizções de possíveis defeitos na prova. Gostaria de saber o motivo de tal ação, e se possível, pedir que a nota venha separada.

    Grato pela atenção.
    Continuem com inciativas como essas!

  4. Marina Araujo Becker disse:

    Parabéns Unesp !!
    Muito boa esta iniciativa de vocês.Foi de grande valia as dicas para redação.Acreditem em meu cursinho ,colégio nunca tive uma explicação como estas.Espero ir bem na redação agora.Será que estas dicas não poderiam se estender a forma correta de ser respondida as questões dissertativas.Pois muito é falado por nossos professores ,mas não são eles que fazem as correções das provas.Muito obrigada desde já.Abraços e PARABÉNS.

  5. Gabriela Santos disse:

    Como professora de Ensino Médio, só posso agradecer a existência desse blog e das informações super úteis que servem tanto para quem ensina quanto para quem vai prestar a prova.
    Acredito que meus alunos ficarão mais aliviados e menos angustiados ao perceberem que podem contar desde antes do ingresso à universidade com esta renomada Instituição de Ensino.
    Parabéns pela iniciativa.

  6. Monica Savar disse:

    Olá
    Dicas para Vestubular
    Descobri um software, “Aumentando seu Vocabulário”, onde você aprende rapidinho dezenas de palavras novas através das Lições, Exercícios e Textos. Além disso tem Dicionário Personalizado e Jogos de Palavras. Em Textos, você aprende usar as palavras e construir suas próprias redações. Ideal para Vestibulandos e estudantes do Ensino Médio.
    Vale a pena, por isso resolvi divulgar, pois me ajudou muito.
    Está no http://www.softwareebookecia.com

  7. Adriana Machado disse:

    Adorei este as dicas deste blog, segui todas as dicas e apliquei na prova de redação do vestibular que acabei de fazer. Tenho certeza que me sai bem.
    Obrigada pelas dicas

  8. Henry disse:

    Muito bom unesp! A tempos atrás escrevi artigos sobre como fazer uma redação, mas baseado em formações da própria experiência e de grades de correção, alem de exemplos de redações acima da média de outros vestibulares ou concursos. Após a leitura desse blog, escrevi mais alguns artigos, completando os que eu já tinha feito antes.

    Percebi que a mesma classificação usada para as respostas dissertativas tambem é aplicável às redações, ou aos parágrafos das redações. Por ex:

    Parágrafos lacônicos: em muitas redações que encontrei em comunidades diversas encontrei parágrafos que tem boas idéias, mas deixam muita coisa subentendida, como se quem escreveu a redação tivesse simplesmente soltado uma afirmação, ditado popular ou argumento sem explicar aquilo. Ou então tentando economizar espaço na redação.

    Redações complicadas ou parágrafos complicados: é onde entram as contradições. Ou então quando são tantas as idéias, que a redação fica confusa, complicada.

    Redações equivocadas: são as fugas de tema.

    Redações precisas: são as que recebem as maiores notas e são as escolhidas como exemplos, por exemplo pela Fuvest. A redação esta de acordo com o tema e bem estruturada, respondeu precisamente às espectativas dos corretores.

    Redações suficientes: pelo que pude entender, seriam as redações mais curtas, não ocupam toda a folha e as vezes tem espaço até para mais um parágrafo, mas saíram-se bem por não fugir do tema e por estarem bem feitas.

    Parágrafos abundantes: as vezes vejo parágrafos que repetem algo que já foi dito antes, ou frases que se repetem duas vezes, mas com palavras diferentes. Fica uma impressão que ou esta se ocupando espaço com muito blablabla ou, por incerteza no que foi dito, diz aquilo de novo para confirmar.

    Redação incompleta: vejo mais no sentido da idéia desenvolvida ou do tema. Redações que terminam sem concluir o que se queria dizer afinal, provavelmente pq o desenvolvimento foi complicado. Ou então, numa enrolação muito grande de um argumento, não sobrou espaço para concluir alguma coisa.

    Redações prolixas ou parágrafos prolixos: com frequencia o problema das contradições e complicações na argumentação parece ser originário do “palavriado”.

    Redações ingênuas: parece ser onde entram as redações que tentaram impressionar ou inventar alguma coisa muito inovadora, sem sucesso.

    Redação insegura: parece ser o caso das redações que, no meio do caminho, mudam de argumentação ou de sentido, como se quem escreveu tivesse mudado de idéia no meio da redação, justamente num ponto em que não há mais tempo para refazer tudo desde o começo.

  9. Henry disse:

    Erro de digitação: *informações no lugar de formações

Deixe um comentário