Existe a dica perfeita?

Muitos vestibulandos procuram encontrar em livros, apostilas, sites e em professores especializados a tal dica perfeita. Isso existe? Tentativas, sim, mas realidade, não. Quem conseguisse as tais dicas perfeitas para passar a estudantes acabaria ficando rico. Mas, que o Blogueiro saiba, ninguém ainda ficou rico fornecendo tais informações eficientíssimas, simplesmente porque, no caso do estudo para vestibulares e concursos, o valor não reside apenas na dica, mas na relação que o candidato tem com ela.

De fato, não há dois estudantes iguais: o que pode funcionar com um não funciona com outro, porque depende do temperamento, dos conhecimentos acumulados e da experiência de cada um. Isso explica a decepção que tem um estudante ao receber de outro ou de um professor a informação de que em tal livro ou em tal apostila ou em tal site encontrará sugestões perfeitas para aumentar em muito sua capacidade de fazer provas. O estudante, por exemplo, entra no site indicado por um colega e não encontra nada capaz de melhorar seu domínio. Uma decepção total.

Quem procura dicas desse porte, senão perfeitas, pelo menos úteis para o maior domínio dos conteúdos desta ou daquela matéria, tem de levar em conta sua própria base de conhecimentos e seu modo de considerar as provas. Há disciplinas que o candidato detesta e por isso estuda pouco. Qualquer dica tem de passar por esse verdadeiro muro de preconceitos para poder ser aproveitada.

O caso da redação é sintomático. Há sites e sites que prometem aumentar em muito a capacidade redacional do candidato. Parece bom, mas não é tanto assim. O candidato precisa, primeiro, avaliar sua capacidade atual e em que pontos julga que falha e pode melhorar. Precisa, também, verificar sua própria boa vontade em aprender. De que adianta uma dica sugerindo que, para a redação, os conteúdos da atualidade social, política e científica são muito necessários, se o candidato não é chegado à leitura de jornais, revistas e sites da rede que fornecem esses conteúdos e os renovam permanentemente. Redação não é só escrever bem; é escrever bem sobre atualidades, porque os temas solicitados pelos vestibulares diversos se enquadram geralmente nesse campo.

O mesmo vale para as diferentes disciplinas. O candidato tem de abandonar o preconceito do gosto/não gosto e avaliar o quanto sabe, para depois procurar as dicas, não necessariamente para atingir dez, mas para fazê-lo subir patamares de desempenho com relação ao que sabe.

Finalizando, em resposta ao próprio título deste artigo, pode-se dizer que a dica se torna perfeita na medida em que o candidato consegue mobilizá-la para os seus conhecimentos. Pense bastante nisso e estabeleça sua procura de acordo com suas próprias expectativas.

 

 

Deixe um comentário