Acentue, sabendo o que faz

Nos dois artigos anteriores, o Blogueiro alertou para o problema dos acentos gráficos. Colocou em primeiro lugar a questão das regras alteradas pelo acordo ortográfico. No segundo artigo, examinou algumas regras em que os estudantes costumam cometer equívocos por pura distração. No artigo de hoje, finalmente, apontará as regras fundamentais, que você tem por obrigação conhecer e praticar, sem esquecer os dois aspectos em que se baseou a criação do sistema: primeiro, o econômico, acentuar o menos possível; segundo, o diferencial: distinguir palavras com terminações idênticas, mas tonicidade diferente. Tendo sempre em mente esses dois aspectos, fica mais fácil e prático acentuar sem cometer erros.

A grande maioria das palavras da língua portuguesa são paroxítonas terminadas em a, e, o, as, es, os. Por isso, não são acentuadas. Seria contraproducente fazê-lo. Já as oxítonas com as mesmas terminações, por serem bem menos numerosas, levam o acento necessário: guaraná, ananás, café, jacarés, avô. Na mesma perspectiva se incluem os monossílabos tônicos com idênticas terminações: má, más (adj.), pá, pás, pé, pés, pó, nós. Assim também as palavras paroxítonas terminadas em em, ens são bem mais numerosas que as oxítonas com a mesma terminação, razão por que estas devem ser acentuadas: porém, também, armazéns, reféns.

Já as palavras proparoxítonas são relativamente poucas no idioma. Acentuá-las, portanto, resolve um belo problema, diferenciando-as de todas as paroxítonas e oxítonas. Esta é a motivação da regra que manda marcar com o competente acento gráfico todas as palavras proparoxítonas: árvore, árvores, pérola, pérolas, ótimo, ótimos, tâmara, tâmaras, pêndulo, pêndulos, cômodo, cômodos. Fácil, não é?

Finalmente, a maior dificuldade da acentuação gráfica está nas paroxítonas terminadas em l, n, r, os, x, us, i, is, om, ons, um, uns, ã, ãs, ão, ãos e em ditongo oral (seguido ou não de s). Devem receber o acento adequado na sílaba tônica: tátil, fácil, hífen, éden, gérmen, líquen, abdômen, pólen, cadáver, revólver, bíceps, tríceps, quadríceps, tórax, bórax, ônix, vírus, ânus, lápis, tênis, júri, júris, íon, íons, fóton, próton, elétron, bárion, nêutron, álbum, álbuns, órfão, órfãos, órfã, órfãs, jóquei, jóqueis, túneis. O máximo cuidado com palavras como estas, portanto! É bom rever sempre os exemplos, para evitar cochilos.

Finalmente, uma última regra que provoca muitos enganos: a acentuação das paroxítonas terminadas em ditongo crescente. A regra é clara, mas muita gente parece adorar escrever algumas dessas palavras sem acento gráfico, como, por exemplo, magoa, regua, carie, ingenuo, inicio. Nada disso. Todas devem ser acentuadas: água, mágoa, régua, cárie, ingênuo, início, precipício, espécie. Note que magoa sem acento deve ser pronunciada com tonicidade sobre o o, já que a palavra passa a ser uma forma verbal de magoar; assim também carie passa a ser uma forma do verbo cariar, e inicio se torna uma forma do verbo iniciar.

Neste final, o Blogueiro faz uma pequena pergunta, um tanto brincalhona, a você: Se hífen, como vimos, deve levar acento gráfico sobre a sílaba tônica, por que hifens não deve? E quais palavras dos exemplos dados se encaixam neste mesmo caso?

É isso aí. Não se descuide com a acentuação gráfica, para não ter descontos na nota. Por menores que possam ser, por vezes significam a perda da vaga. Boa acentuação para você.

 

Deixe um comentário