Tudo novo sob o sol

Depois da fase de matrículas, começa tudo de novo. Os que terminarão este ano o ensino médio são os novos pelejadores em busca de cursos e vagas. E a cada ano, felizmente, as competências parecem aumentar, o que é bom em termos de ensino e melhor ainda em termos de universidade.

Muitas vezes na vida percebemos que boa parte da realidade que nos cerca é cíclica, isto é, seus processos têm inícios, desenvolvimentos e términos, para em seguida terem novamente inícios, desenvolvimentos e términos, e assim por diante. Num dos livros da Bíblia, o Eclesiastes, que alguns atribuem à autoria do rei Salomão, esta constatação da natureza cíclica da realidade gerou belas páginas de verdadeira filosofia, ainda atualíssima. Se você algum dia disse ou ouviu uma frase como, por exemplo, Nada novo sob o Sol, está ou citando ou plagiando o Eclesiastes, que afirma também: O que é que foi? É o mesmo que há de ser. Que é o que se fez? O mesmo que se há de fazer. Não há nada novo debaixo do sol, e ninguém pode dizer: Eis aqui está uma coisa nova, porque ela já existiu nos séculos que passaram antes de nós.” (trad. de Matos Soares).

Belo, não é? Belíssimo. É o que acharam muitos escritores ao longo do tempo, que não se esquivaram de citar passagens do Eclesiastes ou de desenvolver seus temas. O próprio Machado de Assis, nosso maior escritor, era um desses admiradores do texto.

Pois é. Mas devemos convir que, para cada um de nós, em tudo o que fazemos parece que estamos a fazer sempre algo novo. É o que você deve sentir ao entrar na reta final dos exames vestibulares. Por isso mesmo, é bom lembrar o que diz o Eclesiastes, justamente para evitar que, nos momentos de desânimo, que volta e meia acontecem em nossas vidas, você se sinta o único culpado por não conseguir atingir algumas metas de estudo. Na verdade, você apenas está iniciando individualmente um ciclo pelo qual inúmeros jovens vêm passando há anos e anos. O que lhe acontecer de bom ou de mau já aconteceu a muitos outros ao longo desse tempo.

Não se preocupe demasiadamente, portanto. Se o ciclo de vestibulares do ano em curso não lhe for favorável, haverá outros e outros e, num desses, com certeza você passará, como tantos outros estudantes que enfrentaram as mesmas dificuldades.

Então, mãos à obra. Neste ano final, é preciso estabelecer com a máxima atenção seu plano de estudos e segui-lo à risca. Você sabe quais são suas forças e quais as suas fraquezas. Pondere. Estabeleça metas. Dedique-se como o candidato recém-aprovado no vestibular de medicina de grandes universidades, depois de anos de dedicação que chegaram a incluir fechar-se no banheiro para poder estudar. Você pode se inserir em processo semelhante de grande esforço e dedicação, repetindo o ciclo. Não pode?

Claro que pode. Pode fazer com que para você surja tudo novo debaixo do Sol.

 

Deixe um comentário