Pronúncia ruim, escrita pior

O Blogueiro não se cansa de alertar os candidatos para deslizes que podem prejudicar suas notas, tanto em redações quanto em respostas discursivas. Tais deslizes, muitas vezes, passam despercebidos aos estudantes, em virtude da relação estreita, mas errônea, entre sua fala e sua escrita. Preste bastante atenção nas seguintes frases:

Espero que meu novo colega não seje preconceituoso.

Quando eu ver você na escola, entregarei o caderno.

Se ele por algum defeito em meu trabalho, ficarei triste.

Se você supor que eu o enganei, poderei explicar.

Todos esperamos que nossa colega esteje bem.

Pedro disse que eu robo, mas não é verdade.

Minha irmã foi ao cabelereiro.

Há pessoas que gostam de agorar.

A chegada de minha colega foi um estoro.

Meu professor disse que o uso de aerosol é proibido.

Em frente à catedral há uma pessoa mendingando.

Pode baixar, que esse game é gratuíto.

Colocados todos juntos, os erros que aparecem nessas frases parecem óbvios. Nem tanto. São lapsos comuns em concursos e provas de vestibulares. Por quê? A razão é simples: como nossa fala diária é menos tensa, nem sempre nos damos ao cuidado de pronunciar corretamente. Vamos falando, falando, e deixamos escapar enganos como esses. Em nossa comunicação ordinária, raramente alguém nos adverte para os equívocos, porque muita gente os comete. O maior problema surge quando, numa prova escrita, cochilamos e acabamos escrevendo como às vezes pronunciamos. Aí, como diz o povo, é que o bicho pega. Erramos e somos penalizados na nota. Observe as mesmas frases com as palavras grafadas corretamente:

Espero que meu novo colega não seja preconceituoso.

Quando eu vir você na escola, entregarei o caderno.

Se ele puser algum defeito em meu trabalho, ficarei triste.

Se você supuser que eu o enganei, poderei explicar.

Todos esperamos que nossa colega esteja bem.

Pedro disse que eu roubo, mas não é verdade.

Minha irmã foi ao cabeleireiro.

Há pessoas que gostam de agourar.

A chegada de minha colega foi um estouro.

Meu professor disse que o uso de aerossol é proibido.

Em frente à catedral há uma pessoa mendigando.

Pode baixar, que esse game é gratuito.

Ficou claro? Então comece a prestar atenção nas conversas com seus colegas ou com outras pessoas. Você observará, por exemplo, que é bastante comum pronunciarem erradamente seje em vez de seja, e também ver, por, supor no futuro do modo subjuntivo, quando o correto é vir, puser, supuser (vir, vires, vir, virmos, virdes, virem; puser, puseres, puser, pusermos, puserdes, puserem; supuser, supuseres, supuser, supusermos, supuserdes, supuserem); não é raro também pronunciarem esteje, quando o certo no presente do subjuntivo de estar é  esteja (esteja, estejas, esteja, estejamos, estejais, estejam), e assim também cabelereiro, agorar, estoro, aerosol, mendingando, gratuíto, em lugar das formas corretas agourar, estouro, aerossol, mendigando, gratuito.

Muita cautela, portanto, e mais atenção em pronunciar corretamente para escrever também corretamente essas e muitas outras palavras. Pronunciar mal já é ruim, mas escrever mal é ainda pior.

 

Deixe um comentário