Um bom plano para uma boa chegada

No artigo anterior, o Blogueiro dirigiu-se a você, que neste ano fará seu primeiro e — Queira Deus! — único vestibular. É claro que o ensino fundamental e o ensino médio já constituem, em seu todo, uma preparação para isso, mas agora que está às portas dos exames vale a pena fazer uma análise do que pode e do que precisa fazer para que a experiência do vestibular seja, realmente, única, em todos os sentidos que pode carregar esta palavra. A última volta é a mais importante e, por assim dizer, a mais perigosa em uma corrida.

A contribuição que o Blogue pode dar a você nesta reta de chegada corresponde à pergunta que se faz todos os dias: como chegar lá? A melhor resposta é simples: com um bom plano. Você descobrirá, ao longo de sua vida, que mesmo as tarefas mais simples implicam uma programação para ser alizadas. A simples ida a um supermercado precisa de um plano, que contém elementos como que comprar, a que hora sair, qual o trajeto mais adequado, quanto gastar, com quem ir ou ir só, como ir, como voltar. É claro que nem nos damos conta disso, tão acostumados que estamos a tarefas como essa. Planejar torna-se, assim, algo quase automático, porque relativamente simples. Quando se trata de vestibular, porém, o processo acaba sendo um pouco mais complicado, mas tem de ser feito, sob pena de tornar suas ações confusas e contraproducentes. Compare a preparação para vestibular com a travessia de uma floresta. Ninguém vai simplesmente entrando e caminhando, sob risco de se perder, machucar-se, passar muitas dificuldades e, ao fim e ao cabo, não conseguir atravessar. Não será muito diferente com a travessia do período de preparação para vestibular.

Evidentemente, seu plano deve começar levando em consideração uma espécie de autoanálise. Em quais disciplinas costuma dar-se melhor? quais as maiores dificuldades que tem nas outras? qual seu tempo disponível para os estudos? etc., etc.  Procure neutralizar, neste ponto, sua preferência por esta ou aquela disciplina. Pense apenas que, se gosta de uma disciplina e sempre vai bem, está com uma possibilidade aberta para estudar mais as outras. Tirar mais nota numa disciplina de que gosta para compensar o que tira de menos numa disciplina de que não gosta é puro folclore, não acredite nisso.

Assim sendo, eis algumas sugestões para você formular seu plano:

1) redação: fazer uma por semana, inclusive sobre temas polêmicos;

2) atualidades (muito usadas hoje como temas de redação e também para a formulação de problemas de ciências físicas e biológicas, conhecimentos gerais, etc.): assistir a telejornais, ler jornais e revistas, principalmente editoriais e artigos sobre ciência;

3) disciplinas problemáticas: dedicar-se ao estudo das disciplinas em que costuma não se sair muito bem, tentando detectar as razões para isso e buscando soluções via rede ou mesmo com colegas mais experientes e professores;

4) disciplinas de que gosta: consolidar os conhecimentos que já possui e procurar resolver um ou outro ponto fraco que detectou em seu trajeto no ensino médio;

5) dedicação: não exagerar no esforço de estudo, pois isso pode ser prejudicial, levando-o a uma estafa; é melhor dosar as horas diárias de estudo de acordo com sua capacidade de suportar os esforços; horas semanais de lazer são também necessárias para mantê-lo em forma.

São estas, neste início, apenas algumas sugestões do Blogueiro. Você tem, seguramente, outras ideias a respeito, que poderá combinar e harmonizar com as aqui fornecidas. O importante é ter em mente que um bom plano é absolutamente necessário para simplificar seus estudos e não deixar que perca o rumo nem se desespere naqueles momentos em que o cansaço o leve a sentimentos pessimistas.

 

 

Leave a Reply