Seu fraco, seu forte

O homem é marcado por suas preferências. Uns gostam mais de doces, outros mais de salgados; uns adoram esportes, outros odeiam; uns são “vidrados” em viajar, outros preferem o sossego de seus lares. Diz-se comumente que as preferências de uma pessoa revelam a sua personalidade, o seu temperamento. Seria verdadeiro?

Talvez até seja. As preferências marcam até mesmo os nossos estudos. Dificilmente gostamos do mesmo modo e com a mesma intensidade de todas as disciplinas ou, mesmo, de todos os conteúdos de uma disciplina. Há quem prefira a Matemática ao Português, a Geografia à História, a Álgebra à Geometria, ou vice-versa. Tais preferências podem resultar de nossos talentos naturais, ou até mesmo da influência de professores ao longo dos ensinos fundamental e médio. O Blogueiro costumava ter dificuldades com a Álgebra, mas ia muito bem na Geometria. A explicação que sempre dava era de que a Geometria lhe parecia fácil e atraente porque lhe permitia “ver” o que estudava, ao passo que a Álgebra, com todas aquelas letras, parênteses, chaves e trocas de sinais lhe causava confusão permanente, era uma persistente pedra em seu sapato. Só aprendeu a gostar de Álgebra em anos mais avançados, na universidade, quando teve de lidar com problemas que a exigiam. Aí, passou a entender melhor e até a gostar.

E você? Se gosta de todas as disciplinas sem restrições, está de parabéns. Foi aquinhoado com um belo dom da natureza. Mas se tem alguma ojeriza por esta ou aquela disciplina por não conseguir nelas maior rendimento, não se preocupe, não é lá tão grave problema, desde que você saiba equacioná-lo. O primeiro aspecto que deve observar é como encaixar a disciplina em seu plano de estudos. Alguns acreditam que se deve estudar mais as disciplinas de que gostamos, porque assim, obtendo notas muito boas, compensamos as baixas notas das disciplinas que não apreciamos. Certo? Errado. Nada indica que as disciplinas de que não gostamos sejam as mais difíceis de estudar. Você sabe perfeitamente por que não obtém nelas notas equivalentes às demais. Então, é melhor estudar primeiro essas disciplinas que lhe dão maior dificuldade. Com esforço, pedindo inclusive ajuda a professores e a colegas, perceberá que seu rendimento vai aumentar gradativamente. E até poderá mudar de opinião quando verificar, em simulados, que suas notas aumentaram.

Notou a malícia da estratégia? Se você usualmente atinge nota acima de sete em algumas disciplinas, conclui-se que pode atingir também em outras, desde que lhes dedique o tempo necessario de estudo, que será maior que o das demais. Este conselho é válido sobretudo nos tempos atuais, em que o mecanismo da internet coloca em suas mãos centenas, talvez milhares de sites que ensinam a conhecer e dominar os fundamentos de todas as disciplinas focalizadas nos vestibulares e em concursos públicos.

O povo tem um provérbio interessante para entender muitas situações: Quem ama o feio bonito lhe parece. Compreendeu? A partir do momento em que começar a dedicar mais tempo e atenção ao estudo das disciplinas que o incomodam, aprenderá até a gostar delas e, nesse caso, passando a amar o feio, este começa a lhe parecer bonito.

Em outras palavras, é possível transformar seu fraco em seu forte. Basta começar.

Leave a Reply