Dicionário: um instrumento de trabalho.

Se você é daqueles que consulta o dicionário só de vez em vez, para conhecer o significado de um vocábulo “difícil”, mude seu modo de ver. O dicionário é uma fonte inestimável de conhecimentos que podem fazê-lo evoluir muito mais em seus estudos e em suas próprias concepções. É um exclente instrumento de trabalho. Essa estória de chamá-lo de “pai dos burros” é uma piadinha de mau gosto, empregada por preguiçosos que não querem perder tempo para outros aspectos de seus estudos e julgam desnecessário, no caso de encontrarem palavras desconhecidas, ir além do que o próprio contexto sinaliza.

Isso está muito errado, pois resulta de um desconhecimento das reais utilidades dos dicionários, que são muitas. Quer ver um exemplo? Procure no Aurélio Eletrônico o verbete “democracia”:

[Do gr. demokratía.]

S. f.

1. Governo do povo; soberania popular; democratismo. [Cf. vulgocracia. ]

2. Doutrina ou regime político baseado nos princípios da soberania popular e da distribuição eqüitativa do poder, ou seja, regime de governo que se caracteriza, em essência, pela liberdade do ato eleitoral, pela divisão dos poderes e pelo controle da autoridade, i. e., dos poderes de decisão e de execução; democratismo. [Cf. (nesta acepç.) ditadura (1).]

3. País cujo regime é democrático.

4. As classes populares; povo, proletariado.

  • Democracia autoritária.  Ciênc. Pol.

1. Sistema de governo surgido após a 1ª Guerra Mundial, em geral anticomunista, firmado na supremacia do poder executivo em relação aos demais poderes.

  • Democracia popular.  Ciênc. Pol.

1. Designação comum aos regimes políticos monopartidários dominantes nos países da área socialista. [Cf., nesta acepç., república popular. ]

Notou bem o que o Aurélio diz no verbete? Se notou, percebeu que a palavra democracia não é tão simples como pode parecer à primeira vista. Não basta, portanto, entendê-la ou empregá-la com o sentido de “governo do povo”. É pobre demais tal acepção.

O verbete é, assim, uma verdadeira aula sobre a palavra, inclusive pelas necessárias referências históricas, já que “democracia” tem uma longa história, quer como conceito político, quer como palavra ou expressão empregada para representá-lo. Assim colocadas, essas informações vão auxiliá-lo também no entendimento de questões de história que focalizem as formas e os sistemas de governo ditos ou autodenominados democráticos. Como você por certo deve ter também notado, o verbete do Aurélio ainda manda comparar os sentidos de democracia com os de “vulgocracia” (preponderância das classes populares) e “ditadura” , como se pode verificar no próprio dicionário:

[Do lat. dictatura.]

S. f.

1. Forma de governo em que todos os poderes se enfeixam nas mãos dum indivíduo, dum grupo, duma assembléia, dum partido, ou duma classe.

[Cf. democracia (2).]

2. Qualquer regime de governo que cerceia ou suprime as liberdades individuais.

3. Fig. Excesso de autoridade; despotismo, tirania.

  • Ditadura do proletariado.

1. Regime político, social e econômico desenvolvido teórica e praticamente por Lenin (v. leninismo), e que se baseia no poder absoluto da classe operária, como primeira etapa na construção do comunismo.

Percebeu como são importantes os dicionários? Claro que percebeu! E quando ouvir de alguém que gosta de ler dicionários, não mais assuma um ar debochado, nem diga que essa pessoa é amiga do “pai dos burros”, já que, bem pensado, muito provavelmente o “burro” não é o que consulta dicionários, mas o que os ignora. Cobre consciência de que os dicionários são fontes de palavras, de conceitos, de cultura, porque apontam caminhos e fazem esclarecimentos por vezes mais eficientes do que os próprios livros que focalizam o tema.

Conclusão: valorize esse instrumento de estudo. Você só terá a ganhar. Já pensou se o tema da redação de algum vestibular que você prestará implicar o domínio do conceito de “democracia”?

 

Leave a Reply