Agora é com você, que ainda vai prestar

O título deste artigo, como se pode observar, é bastante brincalhão, já que o verbo prestar apresenta muitas possibilidades de significação, razão porque tem de ser especificado. No sentido em que o Blogueiro empregou, precisa de um objeto direto: exames vestibulares. Sem isso, na intransitividade, tem sentidos cuja negação pode ser ofensiva: ser bom, ser correto, ser honesto, ter boa índole. Quer dizer: você não é bom, não é honesto, mas ainda vai ser. Evidentemente, o Blogueiro não quis dizer isso. É claro, porém, que há uma terceira possibilidade de sentido, que pode ser assim compreendida: você ainda não presta, vale dizer, ainda não está preparado; mas vai prestar, ou seja: ainda vai estar preparado. Isto já serve de exemplo de como é importante a questão da transitividade dos verbos, cuja mudança pode trazer alteração de sentido. Embora o tema deste artigo seja outro, o Blogueiro não perde a oportunidade de dar sua liçãozinha de discurso. Não deixe de aproveitá-la!

Na verdade, o artigo focaliza os vestibulandos que terão de prestar exames no ano em curso, mais especialmente os novatos, que ainda estão no terceiro ano do ensino médio. Se você se enquadra neste tema, preste muita atenção.

Enquanto os candidatos que prestaram exames aguardam a lista de classificados, chega sua vez, novo candidato, de trilhar a reta final de preparação. 2017 é o seu ano, portanto, e você já está seriamente preocupado em saber o que vai fazer durante esse trajeto de longos meses. É claro que os conselhos, desde o segundo ano do ensino médio, choveram muito em sua horta de sonhos. Não faltaram professores, amigos, parentes, veteranos para lhe fornecer os “melhores conselhos” para a vitória até o fim do ano.

Tudo isso, porém, é muito relativo. Não serão conselhos que o farão passar. Poderão até ajudar pouco ou muito, mas poderão também atrapalhar, se não estiverem em acordo com sua personalidade. Esta é a chave: sua personalidade. Sua personalidade é a corrente do rio: você não deve nadar contra ela, sob o risco de cansar demais e render de menos. É hora de consultar a si mesmo, de refletir sobre sua própria índole, para estabelecer o que quer, que curso ou cursos pode tentar, que roteiros de estudo estabelecer e métodos adotar.

Tudo tem de estar, portanto, em sintonia com seu modo de ser, com as possibilidades que você percebe em si mesmo e com a capacidade de estudo, esforço e sacrifício pessoal de que se julga possuidor. Sacrifício pessoal, sim, mas sem que isso signifique algo torturante. Ao contrário, sacrifício pessoal é uma atitude necessária em diferentes momentos de nossas vidas, para atingirmos as metas determinadas, seja no trabalho profissional, seja na vida particular e familiar.

Se lermos as biografias das grandes figuras humanas de todos os tempos, qualquer que seja o caminho percorrido, verificaremos que passaram por incontáveis momentos de sacrifício e de desafio. Talvez seja até melhor, em vez da palavra sacrifício, você usar desafio. Nossa existência é feita de desafios, muitos dos quais requerem, além de uma preparação adequada, o emprego de todas as nossas forças, de toda a nossa inteligência, de todas as nossas habilidades.

Por que dizer tudo isso? Porque os candidatos que prestam vestibulares, em vez de constituírem um grupo homogêneo, como seria o ideal, representam um grupo caracterizado pela heterogeneidade. Nem todos chegam a um ano dos exames plenamente preparados. Muitos, ao contrário, em virtude do tipo de escola que frequentaram ou dos problemas familiares que viveram, além de dificuldades de controlar seus próprios temperamentos, têm tendência a chegar com menos possibilidades. A proliferação de cursos preparatórios, bem como de sites da internet dedicados a ensinar conteúdos e fornecer  dicas para os candidatos é prova suficiente das diferenças apontadas.

O melhor conselho, a melhor dica, portanto, neste momento, para os que prestarão exames ao longo do ano em curso, é esta: examinem-se, considerem suas personalidades, analisem friamente suas possibilidades neste exato momento e estabeleçam metas, roteiros e métodos para evoluírem em seus conhecimentos e enfrentarem seus desafios. Métodos de estudo e dicas existem aos milhares espalhados pelas apostilas, livros e pela rede. O que vale, porém, é a sua atitude, o seu modo de encarar o que tem pela frente, além de sua vontade enorme de vencer.

Pense nisso! E mãos à obra, à sua obra!

 

Leave a Reply