Na segunda fase, tudo é discurso

Terminada a primeira fase do Vestibular Unesp 2017, você agora pensa seriamente na segunda. Que fazer? Como estudar?

Na verdade, você já estudou bastante e, em termos de conteúdos, está muito bem preparado. A principal preocupação, deste modo, deve ser o como preparar-se para uma prova que, formalmente, é bem distinta da primeira. Conscientize-se, portanto. A segunda fase é discursiva, tanto na redação, quanto nas respostas às diferentes questões.

Que significa isso? Em primeiro lugar, que a resposta correta não está à vista numa das alternativas. Não há alternativas. Você tem de extrair a resposta adequada do enunciado da questão e dos textos que eventualmente servem de base. Na questão objetiva, o elaborador faz a interpretação e aponta como resultado uma resposta correta entre quatro respostas erradas. Na questão discursiva, a interpretação é sua tarefa e você tem de expressá-la em resposta também discursiva,  correspondente ao próprio enunciado da questão.

Fica assim mais difícil? Não necessariamente. Na prova objetiva você pode até confundir-se, influenciado por uma das alternativas incorretas. Já na prova discursiva, correndo a interpretação por sua conta, a possibilidade de confundir-se é bem menor, ainda mais porque o elaborador tem de fornecer mais pistas no enunciado de cada questão. É preciso, porém, alguma cautela em escrever as respostas, pois você pode ter feito a interpretação adequada, mas falhar em sua expressão, vale dizer: descobrir o que pede uma questão, mas acabar criando uma resposta inadequada. Leia e releia, portanto, para verificar se conseguiu expressar-se com 100% de certeza em cada uma de suas respostas.

O que ficou dito nos parágrafos acima pode ser explicado pelo fato genérico de que escrever, como dizem muitos poetas, encerra várias armadilhas. Os autores de livros e outras publicações volta e meia têm de operar correções em segundas edições de seus próprios textos, por perceberem que acabaram, aqui e ali, não conseguindo dizer o que realmente pretendiam. O problema é que você não terá uma segunda edição: o que escrever será considerado pela banca a sua resposta. Isso deixa ainda mais clara a necessidade de revisar, para evitar que uma vírgula aqui ou uma palavra inadequada ali possam prejudicá-la ou torná-la improcedente. É, mas assim eu perderei muito tempo! poderá dizer você. Ora, trate por isso de treinar bastante para adquirir a velocidade necessária. Quando você cria uma resposta discursiva, é ao mesmo tempo escritor e intérprete.

Valeram estas observações? Então trate de preparar-se, criando uma técnica de revisão que lhe permita detectar sem maior perda de tempo lapsos e cochilos. Muitos profissionais da palavra costumam dizer que escrever é uma verdadeira luta por expressar-se a contento. Prepare-se, e vencerá essa luta, com toda a certeza.

 

Deixe um comentário