Você sabe o que é crise?

Muitas vezes acontece, mas você não percebe. É que se torna tão fácil ver determinado aspecto de um fato, que acabamos, pela própria facilidade, não conseguindo vê-lo. Esse fenômeno já foi até usado como tema de obra literária, por exemplo no conto “A carta roubada”, de Edgard Alan Poe: a carta estava num lugar tão evidente, tão fácil de achar, tão na cara, como diz o povo, que aqueles que a procuravam acabavam por não enxergá-la. O mesmo ocorre em nossa vida diária: às vezes não conseguimos encontrar um objeto perdido porque não está perdido, apenas foi colocado num lugar diferente do habitual; e como muitas vezes agimos por puro automatismo, por seguir obstinadamente um método, não conseguimos ver o que está à nossa frente.

O Blogueiro está usando esses exemplos para demonstrar que, na própria linguagem, o fenômeno acontece: muitas vezes ouvimos tanto uma palavra, ou a lemos, que acabamos não dominando de modo objetivo seu significado. A palavra crise é um bom exemplo. Nunca se falou tanto em crise em nosso país. É crise para lá, é crise para cá, mas, afinal o que é mesmo crise? Descobrimos que não sabemos objetiva e amplamente os significados que a palavra incorpora. Temos apenas a noção de que crise é algo ruim, algo que não está dando certo num processo. Mas é só? Não, de fato não é. Justamente por isso o dicionário é companheiro e conselheiro inseparável. No caso de crise, a informação que nos dá tem de ser resumida, de tão extensa que é: crise é uma palavra empregada pela Medicina, para indicar o surgimento repentino de uma doença num indivíduo sadio, ou também o agravamento de uma doença;  crise é manifestação muito forte e súbita de perda de equilíbrio; crise é um estado de dúvidas e de incertezas em determinado processo; crise é a fase grave de um processo, quer físico, quer psicológico; crise é um momento crucial, perigoso, decisivo num processo;  crise é um estado de tensão e de conflito; crise, na Economia, é o ponto de transição entre um período de prosperidade e outro de depressão; crise, na ficção (literatura, teatro, cinema) corresponde ao ponto de agravamento do conflito, que conduz o enredo a seu ponto máximo  e decisivo.

Muitos significados, não é? E observe que não foram indicados todos, deixando-se de lado aqueles que podem ser abrangidos pelos mencionados.

Agora você está em condições de entender os significados que a palavra crise venha a assumir em qualquer contexto. Pode explicar objetivamente, por exemplo, expressões como crise política, crise social, crise educacional, crise econômica, etc., etc., etc. Você pode entender agora por que se diz o tempo todo, sobretudo na mídia, que O Brasil enfrenta atualmente uma crise política sem precedentes. E ponha crise nisso!

Sempre é bom, porém, prestar muita atenção no texto que lê, porque crise também pode significar, como diz o Aurélio, “certo tecido antigo”. É muito difícil que você venha a deparar-se com um texto em que a palavra carrega esse significado. Mas nada é impossível neste mundo. De repente, num livro de ficção, lá está ele.

Compreendeu? Há todo um campo de pesquisa sobre palavras cujos significados são tão óbvios e simples, que nos deixam confusos no momento de descrevê-los. Vale a pena, por isso, se você quer aumentar seus conhecimentos sobre palavras e conceitos (algo muito importante para ler e redigir), ter sempre à mão ou no monitor do PC bons dicionários.

Ah! e já ia o Blogueiro se esquecendo: vale muito a pena, muito mesmo, ler “A carta roubada”, de Poe, para ter uma verdadeira lição de que às vezes “a própria simplicidade nos desorienta”. O Blogueiro tem certeza de que você adorará o conto e passará a ler toda a obra do grande escritor. Ler é aprender, sempre.

 

Leave a Reply