Arquivo de 8 de maio de 2019

Cuidados com o verbo haver

quarta-feira, 8 de maio de 2019

Outro dia um entrevistado na tevê, focalizando a tramitação de um projeto na Câmara Federal, disse ao jornalista: Houveram muitos problemas nessa sessão, mas o projeto acabou sendo aprovado.

Se você não percebeu o erro crasso, preste bem atenção neste artigo.

O verbo haver apresenta muitos significados, o que pode ocasionar diferentes regências verbais. Por isso, é bom tomar cuidado, pois uma dessas regências é a que induz a mais erros, até mesmo de pessoas bem informadas. O Aurélio apresenta informações muito úteis a este respeito. Informa que haver pode ser transitivo direto nos sentidos de ter, possuir, alcançar, obter, conseguir, sentir, experimentar, considerar, julgar, entender. Pode ser também impessoal, nos sentidos de existir, suceder, acontecer, ocorrer, dar-se, realizar-se, efetuar-se, ocorrer, dar-se, fazer. Pode ser transitivo direto e indireto nos sentidos de obter, conseguir, alcançar. Pode ser transobjetivo nos sentidos de ter na conta de, julgar, supor, considerar. Pode ser intransitivo nos sentidos de existir meio de, ser possível. Pode ser pronominal nos sentidos de proceder, portar-se, comportar-se,  entender-se, arranjar-se, avir-se. Além de tudo isso, pode ser um verbo auxiliar: precedendo um particípio, constitui tempos compostos do pretérito. Sem esquecer que haver pode surgir como substantivo, no sentido de “pertences” e também como indicador  da parte do crédito da escrituração contábil. Tudo isso para um verbo só, hem? Observe alguns exemplos:

Naquela cidade hei um grande amigo. (tenho, possuo)

Estudou bastante, mas não houve o resultado que esperava (alcançou, obteve)

Meus colegas houveram grande medo de entrar naquela casa. (sentiram)

Houveram que era risco demasiado investir naquelas ações. (consideraram)

Haverá muitos prêmios nos sorteios daquela festa. (existirão muitos prêmios)

Houve sérios desentendimentos antes de chegarem a um acordo. (ocorreram)

Havia meses que não chovia. (fazia)

Os filhos mais velhos houveram dos pais a licença para ir à Europa (conseguiram)

Todos os policiais o haviam por arruaceiro. (consideravam, tinham na conta de)

Não há mais contê-los. (não existe meio, é possível)

Havia começado o jogo pouco antes de ele chegar. (haver como verbo auxiliar)

É muito significado e muita regência para um verbo só, não é? Pois é. E note que o Blogueiro não deu todos os exemplos fornecidos pelo Aurélio. Convém completar o que diz este artigo com uma visitinha ao dicionário.

Aqui nos interessa apenas um aspecto, porque nos demais provavelmente você não erra. É o caso da frase do entrevistado:

Houveram muitos problemas nessa sessão, mas o projeto acabou sendo aprovado.

Agora você já deve ter percebido que o entrevistado deveria ter dito:

Houve muitos problemas nessa sessão, mas o projeto acabou sendo aprovado.

E por quê? Porque o verbo haver, no sentido em que é empregado na frase, significando “existir”, é impessoal, apresenta-se sempre na terceira pessoa do singular, não importando se o complemento que surge depois está no singular ou no plural. Confira no Aurélio.

Neste artigo, como deve ter notado, você leva dois conselhos: empregar adequadamente o verbo haver, sobretudo quando é impessoal, e perceber que deve consultar usualmente os significados e as regências dos verbos. Aprenderá muito, pode ter certeza, e evitará muitos erros crassos, que poderiam fazê-lo perder alguns décimos ou centésimos de sua nota e, com isso, até deixar escapar sua vaga.