Arquivo de 13 de março de 2018

Estudo em grupo: vale a pena?

terça-feira, 13 de março de 2018

Desde que começamos a ir à escola, nossos professores nos fizeram tomar consciência de que muitas tarefas só podiam ser realizadas em grupos. No ensino fundamental, os trabalhos em grupo foram frequentes, e o objetivo não era apenas o estudo, mas a convivência, a percepção de que existiam outras pessoas e podíamos realizar tarefas e estudos mais facilmente com a ajuda de todos. E o grande objetivo: a socialização, a nossa preparação para viver e trabalhar em sociedade. Fomos descobrindo, assim, que não vivíamos em isolamento e que o mundo não se resumia a nossa família, mas era ele, inteiramente, a  nossa família.

É claro que essa experiência de conviver em grupos nem sempre foi por nós perfeitamente entendida. Algumas vezes os integrantes de um grupo o usaram para isolar colegas, até mesmo para perturbá-los psicologicamente, em prática característica de bullying. Mas a escola, aos poucos, foi nos ensinando que tais práticas estavam erradas, que a experiência grupal devia ser algo positivo para todos. Acabamos aprendendo. E hoje temos até saudades daquelas atividades.

Quando terminamos o ensino médio e iniciamos nossa preparação para prestar vestibulares, acabamos por nos sentir incomodados ao perceber que estamos curtindo uma solidão em meio a livros, apostilas, anotações, internet, sites, etc. etc. É aí que a saudade dói mesmo: como era bom o tempo da escola, sentindo os professores em luta permanente para aprendermos, participando de atividades em conjunto com grupos de colegas e, por vezes, com todos os colegas ao mesmo tempo!

E agora? Que fazer?

Ora, praticar o que aprendemos na escola: a vida dos homens no planeta é uma grande e vasta atividade grupal. Ninguém está realmente só. Tudo é coparticipação. Precisamos ficar sós em muitos momentos de estudo para prestar vestibulares? Sim, é claro. Podemos, porém, fixar momentos que, de certo modo, recuperam o que vivíamos nos ensinos fundamental e médio: estudar em grupo. E não precisam ser gênios os membros do grupo. É bom até que alguns tenham dificuldades, pois as dificuldades alheias podem nos fazer enxergar melhor certos pontos da matéria. Todos os professores sabem bem que muitas vezes se aprende ensinando.

A constituição de um grupo, além de permitir que aprendamos mais, nos ajuda psicologicamente: percebemos que os outros têm problemas semelhantes aos nossos, solidão, receios, ansiedade. É claro que não é uma panaceia (remédio ou solução para todos os males e problemas), mas pode ajudar em muito. Ter encontros semanais para estudos em grupo representa mais um fator  para melhorar conhecimentos.

É isso aí. Respondendo a pergunta do título deste artigo: Vale a pena o estudo em grupo? Vale, sim. Nos bancos da universidade você continuará fazendo isso. E na vida profissional não será muito diferente.