Archive for October, 2016

Redação perfeita existe?

Monday, October 17th, 2016

Você por certo muitas vezes procurou saber se existe redação perfeita e, principalmente, se você pode chegar a ser capaz de escrever redações perfeitas.  É uma boa pergunta e uma intenção perfeitamente justificável. Existiria, mesmo?

Antes de tentar responder a essa questão, o Blogueiro gostaria de mencionar um exemplo, entre vários, no campo da literatura. Certo escritor brasileiro publicou uma coletânea de contos que fez muito sucesso. Entre esses contos havia um que os leitores adoravam e julgavam simplesmente “perfeito”. Pois é. Perfeito para os leitores, não para o escritor, que em edições posteriores do livro foi promovendo alterações no texto, enxugando-o, por assim dizer, de modo que das duas páginas e meia originais o conto passou a ter, na última edição, apenas uma e meia. E ninguém pode dizer que foi para pior, porque, sendo o conto obra do escritor, a última palavra é sempre dele.

Compreendeu, então? Os escritores costumam levar a efeito modificações em edições sucessivas de seus  livros. Essa estória de livro acabado e perfeito, portanto, nem sempre confere com a realidade. Se Camões ressuscitasse e relesse o seu fantástico Os Lusíadas, não é impossível que decidisse fazer uma modificação aqui, outra ali.

E a sua redação perfeita? Como fica? Não fica. Para falar a verdade, não existe. Uma redação pode até receber nota 10 num vestibular, sem que seja, de fato, “perfeita”. Percebeu? Então, em lugar de indagar sobre como fazer uma redação perfeita, é melhor perguntar como escrever bem, de modo a poder apresentar, em qualquer vestibular ou concurso, textos competentes, que possam receber notas altas.

O Blogueiro está fazendo estes comentários para evitar que, buscando uma perfeição difícil até de definir, o estudante se sinta frustrado por não chegar a esse ponto ambiciosamente desejado. Na verdade, ao longo de seu trajeto escolar, do ensino fundamental ao médio, você aprendeu a seguir as regras gramaticais do idioma e os fundamentos dos diferentes gêneros de texto. Como os vestibulares usualmente exigem o texto dissertativo, você foi mais treinado nesse gênero. Escreveu, escreveu, escreveu, escreveu, até dominar as características essenciais da dissertação e se tornar capaz de dissertar sobre qualquer tema de que tenha conhecimento. Muitas vezes, na escola, recebeu nota 10 por seus textos. Em outras, pequenas ou grandes distrações o fizeram ter sua nota diminuída. Isso é mau? Claro que não. Isso é a realidade prática do escrever. Os literatos também muitas vezes acertam, produzindo livros preciosos, e em outras erram, produzindo textos um tanto “mancos”. A maioria deles tem autocrítica suficiente para saber que isso é normal e não levar a público seus maus textos, sabendo que um dia poderão retomá-los e conferir-lhes a qualidade que originalmente faltou. O próprio Blogueiro muitas vezes relê seus artigos e chega à conclusão de que poderia ter escrito melhor um texto ou outro.

Ficou claro? O uso da linguagem é um conjunto: precisamos falar bem, entender bem, ler bem, escrever bem. Mas tudo sem preocupação demasiada. A melhor maneira de falar bem e de escrever bem é sentir prazer no falar e no escrever. Essa atitude lhe dará a segurança de escrever sempre bons textos. Não textos perfeitos ou geniais, mas simplesmente textos bem feitos. Isso basta para vestibulares e concursos, como, de resto, para toda a sua vida profissional futura.

O problema, portanto, não é o perfeito, é o bem feito.