Arquivo de 8 de julho de 2016

Chegando. E muito bem chegado

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Os estudantes de hoje têm ampla vantagem em relação aos antigos. Estamos na era da internet, em que as informações são encontradas facilmente via computadores.  Qualquer pessoa interessada pode aprender a matéria toda de um curso simplesmente pesquisando na rede. Depende de sua capacidade e de sua determinação em aprender ou em atingir um objetivo, como, por exemplo, ser aprovado em vestibular. Antigamente o panorama era outro. Só se podia aprender na escola ou em livros, que muitas vezes eram caros, outras raros. Mesmo assim, havia quem conseguisse aprender pelo esforço pessoal na leitura de livros difíceis de entender e, por vezes, mais difíceis de encontrar.

Essa facilidade da era da internet pode ser, no entanto, ilusória e até perigosa. É tão profusa a quantidade de informações na web, que nem sempre está garantida a qualidade. A internet despertou nas pessoas a vontade de comunicar-se e compartilhar dados e experiências. Você mesmo já observou que, por vezes, o material fornecido pelos numerosos sites apresenta incorreções e equívocos. Isso é muito perigoso para quem precisa de conhecimentos adequados sobre determinados conteúdos ou temas. Por isso, é preciso também cuidado com a rede. Nem tudo o que anda por ela está correto. Como diria o povo: Nem tudo o que cai na rede é peixe.

A solução é fazer um confronto entre os dados obtidos, eliminando as más fontes. Há, porém, sites muito bem elaborados e embasados teoricamente que podem permitir bons conhecimentos sobre o que se procura.

Tudo somado, a vantagem fornecida pela internet é incontestável. Você pode obter todos os conhecimentos relativos ao ensino médio, por exemplo, num site ou numa série deles. Depende de sua determinação em aprender. Por outro lado, a educação a distância ministrada via rede leva a escola até você, com a grande vantagem de poder repetir aulas e exercícios o quanto desejar ou considerar necessário para a fixação dos conhecimentos.  Parece que a escola vai se tornando aos poucos, em vez de um edifício que se frequenta nem sempre de boa vontade, um compartimento virtual a ser acessado de sua própria casa em qualquer momento. Vale dizer: no passado, o estudante ia à escola; em parte no presente e inteiramente no futuro, a escola irá ao estudante. Isso vale para qualquer patamar do ensino, do primeiro ao segundo grau e da própria universidade. As idas à escola, esporadicamente, servirão apenas para as avaliações de conhecimentos adquiridos pela rede.

Isso é bom? Claríssimo que é. Esse novo sistema de educação a distância permitirá, com maior facilidade, separar o joio do trigo, vale dizer, premiar o estudante mais aplicado em seus estudos. E fará isso, com certeza, muito mais adequadamente que a escola tradicional, pois eliminará o fator da premência do tempo (calendário fixo no ano) e os problemas pessoais que muitas vezes são insuperáveis na escola. E acabará sendo, nessa linha de pensamento, também mais democrático, pois permitirá oportunidades semelhantes a todos os estudantes.

Você com certeza se lamentará por perder essa boa fase futura. Nada disso. Em parte, ela já está aí, e se você tiver muita dificuldade em obter aprovação, acione logo todas as possibilidades que já estão disponíveis na rede.

O futuro está chegando. E, ao que parece, muito bem chegado.