Arquivo de 1 de junho de 2016

Cuidado com seu eixo de antipatias!

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Você não deve ser desse tipo de candidato que acredita que suas disciplinas favoritas bastarão para ser aprovado. Nada disso! O vestibular e qualquer concurso que venha a fazer no futuro, depois de formado, requerem o máximo de pontuação. Por vezes, pode ser exigido um mínimo de pontos para certas disciplinas, mas isso é apenas uma questão de regulamento, que, mal compreendido, pode levar um candidato ao fracasso.

Na verdade, a aprovação vem pelo conjunto, e não por qualquer das partes. A experiência do Blogueiro ensina, nesse caso, que aceitar o mínimo de notas em determinadas disciplinas, “só para constar”, é o pior que se pode fazer. São justamente as disciplinas em que se tem mais dificuldade que devem ser tratadas com maior carinho e atenção durante os estudos. “Não gosto de filosofia. Vou apenas quebrar o galho”. Decisão errada. Se considerar que muitos outros pensam como você, entenderá que está aí um bom caminho para a aprovação, desde que retire a aversão pela disciplina e estude para valer, com o objetivo de acertar todas as respostas.

É até uma questão de esperteza: “Se muitos vão mal em determinado ponto, vou estudar com muito mais afinco, para ir bem.” Deste modo, você conseguirá tranformar fraqueza em força. Além disso, remando contra sua própria maré, poderá vir a gostar do processo e aplicá-lo no futuro. Um exemplo: o candidato não gosta da língua inglesa e estuda apenas para “quebrar o galho”. Se segue o conselho e passa a estudar com mais atenção, acaba descobrindo que o inglês não é tão “chato” assim e que lhe será muito útil no futuro. Afinal,  é hoje uma língua universal e quem a domina abre caminhos promissores, qualquer que seja a profissão. O mesmo se pode dizer, por exemplo, de matemática,  física, química, português e filosofia, esta última, aliás, uma disciplina encantadora, por nos levar ao prazer do amor à sabedoria.

Um vestibular, portanto, não é uma “provinha”, é uma avaliação de capacidade e de possibilidades, tanto para a universidade, quanto para o próprio candidato. E um modo de o candidato provar a si mesmo que pode superar obstáculos aparentemente intransponíveis. Os grandes homens mostraram que eram grandes homens justamente por se revelarem capazes daquela teimosia de enfrentar e superar o impossível, de obter resultados onde outros desistiram e fracassaram.

Deste modo, não tenha você também hesitação em transformar seus pontos fracos em fortes, olhando com carinho para os conteúdos que detesta e passando a estudá-los e entendê-los. Seja teimoso como os grandes homens. Não deixe que certas disciplinas venham a derrotá-lo apenas porque tem ojeriza por elas.

Frequentemente, a vitória é resultado da transformação de nossas fraquezas em força pela inversão do eixo das antipatias. Isso vale para o vestibular e para a vida. Comprendeu?