Arquivo de 29 de outubro de 2015

Exercite seu saber responder

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Você já pensou que o modo como damos uma resposta já é uma parte do acerto? Não pensou? Pois pense. E pense bem. No enunciado da questão discursiva, de certa maneira, já está indicado o modo de começar a respondê-la. O problema, portanto, não é ir direto ao assunto, mas analisar o que está sendo pedido. As perguntas discursivas geralmente solicitam mais de um dado como resposta. E há uma concatenação entre os dados, de sorte que, muitas vezes, o primeiro solicitado já faz prever o segundo e os demais.

Responder um tanto atabalhoadamente, fora de ordem, pode significar a perda de algum dado ou até mesmo a omissão daquilo que deveria ser respondido no momento adequado.

O primeiro ponto a observar, pois, no enunciado de uma questão discursiva é quanto à ordem dos elementos que são solicitados como resposta. O segundo, é o tipo de concatenação entre esses dados no momento da formulação da resposta. O terceiro, a busca de um discurso que atenda esses aspectos e evite qualquer tipo de confusão entre eles. Uma estratégia assim estabelecida tem tudo para auxiliar a atingir uma resposta completa e limpa, sem  problemas. E observe que as bancas elaboradoras, em busca de evitar quaisquer problemas aos candidatos, procuram formular o enunciado de modo a facilitar o planejamento e o estabelecimento das respostas. Tudo leva, deste modo, no enunciado das questões, ao estabelecimento de um roteiro de seu discurso. O resto depende de você, especialmente naquelas perguntas cujas respostas julga conhecer perfeitamente. Facilidade, por vezes, pode levar a enganos graves. Um bom método é considerar que todas as questões são difíceis e trabalhosas e que suas respostas dependem muito do seu discurso para atingirem o ponto ideal de concisão, clareza e objetividade.

Poder-se-ia dizer, a esse respeito,  que responder a questões discursivas implica, ao mesmo tempo, lógica, técnica e sensibilidade. Lógica, para identificar as relações  de coerência do raciocínio que comandou a criação das questões. Técnica, para estabelecer a forma ideal do discurso da resposta; sensibilidade, para captar os objetivos e intenções da  banca elaboradora na criação dos enunciados.

Como o Blogueiro já disse anteriormente, não se trata simplesmente de saber, mas de saber responder. Exercite, portanto, seu saber responder, para se sentir ainda mais seguro ao prestar suas provas.