Arquivo de 14 de maio de 2014

Nota de corte: não se iluda!

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Você  muitas vezes se preocupa com a nota de corte e até faz pesquisas em resultados de anos anteriores para verificar se tem chances de passar para a segunda fase de um vestibular. Isso é normal? Normalíssimo. Cada candidato procura obter todas as informações sobre o vestibular que vai fazer: as notas de corte fazem parte desse conjunto. É interessante consultar as tabelas que as apresentam, em primeiro lugar para que você faça uma avaliação objetiva sobre o seu potencial. Caso verifique que a nota de corte mínima do curso é alta demais, talvez seja melhor escolher outro. Ou, se julgar que aquele curso é realmente o que pretende e nenhum outro,  vale prestar o vestibular como uma experiência, para descobrir, concretamente, em que parte do programa estão suas dificuldades. Pode muito bem acontecer de você ser um pouco pessimista quanto a seus conhecimentos e, de repente, receber aprovação para a segunda fase.

É preciso ter em mente, todavia, que as notas de corte talvez não representem muita  coisa. Não entendeu? Pois veja: se você fica com nota final 52 e a nota de corte é 51, por exemplo, embora haja o que comemorar, não é muito lógico comemorar demais: você, como se diz na gíria escolar, passou raspando. O que significa isso? Significa que passou para a segunda fase, o que é bom, mas apenas atingiu o mínimo possível para não ser eliminado! Você, porém, argumenta que esteve muito doente na época da prova e não conseguiu atingir seu desempenho ideal em virtude da dor de cabeça, da febre e do enjoo. Tudo bem. Se for esse o caso, por certo atingiria uma nota bem superior à de corte e teria um melhor prognóstico para a segunda fase. Mas… se não for, se a nota que tirou corresponde realmente ao seu desempenho atual? Nesse caso, a perspectiva não será tão promissora. Trate de fazer um esforço muito concentrado, sobretudo com base nas questões que errou, porque é nelas que residem seus pontos fracos. Você utilizará, assim, a nota de corte como um indicador dos seus pontos fracos. Fazendo isso, alterará positivamente as chances para a segunda fase.

Notas de corte, portanto, têm diversas leituras que revelarão diferentes possibilidades de seu percurso rumo à vaga. Outro aspecto importante, que pode até ser uma comprovação do que acima foi dito, é verificar, caso já tenha feito o vestibular anterior e não tenha passado, se a relação final dos aprovados na segunda fase coincide com a relação dos que atingiram notas melhores na primeira. Isso terá uma interpretação. Se, porém, como também é possível, muitos que estiveram abaixo do número de vagas na primeira fase subirem de posição e conquistarem a vaga na segunda, isso terá outra interpretação. Significará que você pode e deve ter esperança de atingir vaga, caso se prepare com muito mais esforço.

De um modo ou de outro, vale a pena não somente consultar as tabelas de notas de corte, mas saber interpretá-las adequadamente de acordo com o seu possível desempenho, antes da prova, e com o seu desempenho real, após a prova da primeira fase. É muito importante considerar neste ponto que, se você está preparadíssimo e apresenta rendimento ótimo em todos os simulados que faz, nem precisa se preocupar com notas de corte. Seu esforço e sua determinação o colocaram num patamar de rendimento bastante superior. Se não ocorrer nenhum imprevisto na época das provas, por certo sua vaga estará garantida.