Archive for November, 2013

Dúvidas? Use o Blogue

Tuesday, November 26th, 2013

Os vestibulandos de duas décadas atrás, quando a internet ainda era precária, tinham um trabalho muito grande para aprofundar-se em determinados conteúdos. Além das lições recebidas em classe e das dúvidas manifestadas aos professores, valiam-se da leitura de apostilas de diferentes preparatórios, das livrarias e dos sebos, em que podiam encontrar um ou outro livro usado a preço razoável. Não era fácil, portanto, ultrapassar as dificuldades surgidas ao longo dos estudos e, principalmente, aquelas de última hora, que nos fazem sofrer mais porque imaginamos que com certeza surgirão em algumas questões.

Hoje, época máxima da tecnologia da comunicação, com os pecês, os celulares e os tablets e a internet, tudo ficou muito mais fácil e operacional. São dezenas ou talvez centenas de sites e blogues sobre vestibulares, sem falar nos mais numerosos ainda dedicados a conteúdos dos ensinos fundamental e médio. Você pode localizar com facilidade qualquer prova de qualquer vestibular dos últimos vinte anos e fazer simulações. Há até sites dedicados a essas simulações. A própria escola facilita esse tipo de consulta, ao longo do ensino, para que os estudantes naveguem cada vez com mais facilidades por todos os conteúdos de vestibulares na rede.

O que poderia ser a grande solução, no entanto, para alguns se torna um problema. São tantas as facilidades para resolver dúvidas na net, que por vezes o candidato acaba por não fazer nenhuma consulta, considerando que já sabe tudo e que as lições via rede são por demais repetitivas para trazerem alguma contribuição de peso ao desempenho nas provas. A maioria dos candidatos, porém, considera todas essas fontes com muita seriedade, faz consultas  a todo instante e o lucro acaba se tornando evidente no resultado final dos exames.

É claro que você pertence ao segundo tipo de estudantes, que procura com firmeza e determinação todas as fontes, todas as possibilidades de aprender mais um pouco, de resolver mais uma dúvida, pois sabe que, em se tratando de vestibulares ou concursos em geral, alguns centésimos podem fazer a diferença para a classificação final.

Este Blogue se enquadra entre as fontes úteis. Foi inteiramente planejado para dirimir o máximo possível de dúvidas dos candidatos e também para aconselhá-los a assumir as atitudes mais adequadas em seus estudos e durante as provas. Você é nosso alvo, encarna nosso objetivo de auxiliar o máximo possível em termos de desempenho. Por isso, agora que está na reta final de seu vestibular, nunca é demais lembrar que um passeio pelos numerosos artigos aqui postados pode trazer a ajuda de que precisa, resolver a dúvida que o incomoda, acrescentar um pouco mais de conhecimento ao muito que já conseguiu acumular.

Faça isso. Percorra os artigos postados neste e em outros Blogues sobre vestibulares e, com certeza, encontrará muitas vezes, surpreso, soluções há muito buscadas, correções para alguns enquadramentos errados que você fazia deste ou daquele conteúdo, sugestões para escolher as formas mais adequadas de formular suas respostas, escrever sua redação, enfim, apresentar aquele desempenho acima da média, necessário para uma classificação tranquila.

Dá para perceber que concursos e vestibulares são comparáveis a esportes: é preciso muito preparo físico, muita estratégia, muita força de vontade, determinação e esperança — sempre é possível vencer o jogo de basquete com uma última cesta, ou o de futebol com um gol salvador no último segundo dos descontos. Acredite sempre que você nasceu para vencer!

 

Da primeira à segunda fase

Friday, November 22nd, 2013

Realizada a primeira fase do Vestibular Unesp 2014, em que você certamente foi muito bem, resta agora preparar-se para a segunda. Não espere o resultado. Ganhe tempo. Você apresentou bom desempenho e passará. É preciso agora mudar sua atenção para o diferente modelo de prova, de questões discursivas e redação. E a primeira pergunta que cabe fazer é quanto você deve estudar e praticar ainda para ter um desempenho equivalente ou até melhor.

Será bastante proveitoso neste ponto fazer algumas reflexões sobre seu desempenho na prova de Conhecimentos Gerais: primeira) número de questões que você acertou, segundo o gabarito oficial; segunda) conteúdos em que você sentiu maior dificuldade na prova de Conhecimentos Gerais; terceira) tipo de dificuldade que teve para responder as questões objetivas.

No que se refere ao primeiro caso, o número de questões que você acertou oferece um dado importantíssimo: se foi alto, pode respirar sossegado e continue com seu método de estudo, que está adequado; se foi médio, experimente intensificar seu estudo nas áreas em que apresentou menor desempenho; se foi baixo, ainda que os prognósticos sejam de que você será aprovado nesta primeira fase, fique alerta e verifique, quando as listas saírem, quantos outros candidatos apresentaram maior índice de acertos que você. Se forem muitos, você terá de se esforçar mais para atingir a colocação adequada com a nota da segunda fase.

Quanto ao segundo caso, estreitamente relacionado ao primeiro, trata-se de uma espécie de administração de seus estudos: verificando os conteúdos em que houve maior dificuldade, é sobre estes que sua atenção agora deve estar focada. É preciso investir nas áreas em que se revelaram suas maiores dúvidas, pois será justamente nelas que seu desempenho poderá apresentar melhoras significativas.

A terceira reflexão é igualmente importante. Identificar o tipo de dificuldade que teve em suas respostas é um diagnóstico necessário. Por meio dele, você poderá até descobrir que, em alguns casos, não foi propriamente a falta de conhecimento que o levou a errar ou equivocar-se, mas um modo inadequado de ler ou de interpretar a questão proposta. Por vezes, até uma pequena distração pode ter sido responsável pelo seu engano.

Uma última reflexão: como o modelo de prova agora será diferente, experimente praticar um pouco: treine suas respostas discursivas, caprichando na caligrafia e no português, iniciando suas respostas com letra maiúscula e cuidando de fazer a pontuação necessária. Uma resposta discursiva livre de pequenos lapsos é um primeiro grande passo para o acerto.

E não se descuide com a prática de redações. Imagine temas possíveis, escreva redações como se estivesse fazendo a prova e depois leia todas elas com olhos de crítico, para flagrar os problemas que podem ser evitados no momento da prova.

A vaga está à sua espera. Com esforço, dedicação e seriedade, você a conquistará!

 

Tensão? Nada disso: distensão!

Tuesday, November 12th, 2013

Com a proximidade das provas, muitos estudantes se declaram tensos, nervosos, preocupados com o desempenho e receosos das dificuldades que poderão enfrentar. Nada mais natural. Qualquer pessoa de qualquer idade, diante de obstáculos a transpor, reage de modo semelhante. O que fazer, então?

A experiência humana, manifestada ao longo de toda a História, nos mostra que os vencedores, qualquer que seja a situação com que tiveram de se defrontar, foram aqueles que não viram as tensões como inimigas, mas aliadas para ajudá-los a superar os desafios. Não é diferente num vestibular. Aquela preocupação constante, que aumenta nos dias próximos das provas, deve ser operacionalizada como mais um fator positivo para o desempenho nas provas, fator que redobra a atenção para evitar equívocos de leitura e auxiliar na solução das questões.

Com esse modo de considerar as tensões, evidentemente, você não deixará que suas preocupações se tornem excessivas e será muito útil, a esse respeito, dar uma boa relaxada nos dois ou três dias que antecedem os exames, colocar para você mesmo que chegou a se superar em estudos, na prática de exercícios, em revisões, e está, portanto, mais do que preparado para as tarefas que terá de enfrentar. Essa forma de pensar tem sempre efeito muito positivo para fazê-lo apanhar sua folha de questões e começar a leitura com tranquilidade e segurança.

Não se esqueça, porém, daqueles cuidados corriqueiros dos dias de provas, que são recursos para não infringir a Lei de Murphy, como foi observado há pouco em artigo deste Blogue: a) na véspera, planejar todo o dia seguinte, desde as primeiras horas, para não chegar atrasado; b) não tenha vergonha de chegar bem antes ao local das provas; c) confira o tempo todo se está com os documentos de identificação necessários; d) cuide de estar bem alimentado, porque o bem-estar físico é fundamental ao longo das horas de exame; e) e, sobretudo, assuma uma atitude otimista, construtiva, de pessoa que já venceu muitas etapas semelhantes em sua vida e agora, com certeza, vencerá mais uma.

Notou que no parágrafo anterior as cinco alternativas são verdadeiras? Nas provas objetivas, é claro, isso será diferente, mas você, preparado, tranquilo, consciente, também saberá fazer a diferença ao resolver cada questão.

Boa prova!

 

Não se assuste com o difícil: não menospreze o que é fácil!

Tuesday, November 5th, 2013

Pensando em fornecer mais um auxílio, ou, como se diz vulguarmente, uma mãozinha aos vestibulandos e candidatos a concursos em geral, o Blogueiro elaborou o dístico que serve de título a este artigo (dístico é uma estrofe de dois versos!). Os versos são de sete sílabas métricas, tradicionalmente denominados redondilhos maiores, cujo emprego remonta à própria origem da língua portuguesa e que se mantêm em uso até hoje, na poesia, na poesia popular e nas letras das canções: Não se assuste com o difícil: / Não menospreze o que é fácil!

Em que medida este dístico pode ser útil a você? Na medida de seu interesse em errar o menos possível em provas, quer objetivas, quer discursivas. Muitos candidatos se queixam de ter errado questões fáceis, por distração; ou de haver chutado questões difíceis, por acreditarem que não conseguiriam resolvê-las pelo raciocínio e pela interpretação. O primeiro fato positivo dessas confissões está na autocrítica: é preciso ter muita autocrítica para admitir distração ou também desconhecimento. O segundo fato positivo reside na vontade de acertar, implícita nas queixas.

Se você já passou pelo mesmo problema, não se lamente mais, acrescente um terceiro fato positivo ao processo: uma mudança de hábito diante de questões de prova. Comece a dizer para si mesmo que as questões que você considera difíceis nem sempre são tão difíceis assim, mas apenas não foram adequadamente lidas e interpretadas por você. Troque o termo difíceis por trabalhosas e programe-se para dedicar-lhes sempre uma leitura a mais, baseado no fato de que, às vezes, por equívoco de leitura, tomamos uma palavra ou uma expressão em sentido diferente do que realmente apresenta na pergunta. Com essa mudança de hábito, você não acertará todas as questões que são realmente difíceis, mas por certo acertará aquelas que, numa primeira leitura, imaginou que eram difíceis. Não é este um bom conselho? Claro que é.

Por outro lado, altere seu comportamento também com as questões que considera fáceis. Não as menospreze. Esse negócio de facilidade pode ser um engodo criado por você mesmo. Desconfie sempre, portanto. Em nossa vida diária, não são muito comuns os problemas fáceis de resolver. Assim também nos exames, que são uma forma de avaliar nossa formação e nossa capacidade de solução de problemas. Por isso, diante de uma pergunta que considerou, à primeira vista, muito fácil, aja como se ela fosse mais difícil e faça uma nova leitura, mais atenta, para verificar se leu e interpretou perfeitamente, sem sombra de dúvida mesmo. Somente depois disso responda. Se descobrir que fez a leitura errada de uma só das questões que considerou fáceis, isso já será um grande ganho em termos de nota final, pois, com tantos candidatos, alguns décimos ou centésimos a mais podem fazer enorme diferença para a obtenção da tão sonhada vaga.

É isso aí. O Blogueiro termina como começou: Não se assuste com o difícil: / Não menospreze o que é fácil. Pense muito nisso e mude sua atitude.