Archive for October, 2010

Procura por cursos de exatas foi a que mais aumentou no Vestibular Unesp

Monday, October 25th, 2010

Os cursos que registraram maior crescimento no Vestibular 2011 da Unesp foram os de exatas, com elevação de 2.677 candidatos em relação ao ano passado, o que representa subida de 13,7%. Para os cursos de humanidades, o aumento foi de 1.036 candidatos, ou 4%. Os cursos de biológicas ficaram no mesmo patamar, com crescimento de 154 inscritos. A relação completa por curso pode ser conferida nos sites www.unesp.br e www.vunesp.com.br.

Na lista dos dez cursos mais procurados do exame 2011, passaram a figurar carreiras como Engenharia Civil, de Guaratinguetá, e Engenharia Mecânica, de Bauru. As cinco opções com maior número de inscritos por vaga são Medicina (128,9), Direito (50,2), Arquitetura e Urbanismo (40), Engenharia Civil (35,2) e Engenharia de Produção Mecânica (33,9).

Mesmo com a subida da procura pelos cursos de exatas, as carreiras mais disputadas são as de biológicas, com média de 16,5 candidatos por vaga. As opções de exatas vêm a seguir, com 12,2, à frente de humanidades, com 9,7. O aumento do número de candidatos, passando de 76.452 para 80.319, pode ser explicado pela oferta maior de isenções, pois no ano passado só foram oferecidas isenções para alunos de cursinhos comunitários, enquanto neste ano a oferta se estendeu a candidatos socioeconomicamente carentes.

Além do aumento das isenções, o Professor Elias José Simon, diretor-presidente da Fundação Vunesp, explica que “foi fundamental o aprimoramento do programa de divulgação do vestibular e a extensão do convênio feito com a Secretaria da Educação de São Paulo. Com a inclusão dos alunos do Centro Paula Souza, foi possível oferecer 75% de desconto na taxa para um universo maior de candidatos”. O convênio é destinado a alunos de último ano de ensino médio das escolas públicas estaduais, ou seja, cerca de 400 mil alunos.

Unesp aumenta em 5% total de candidatos para vestibular

Wednesday, October 20th, 2010

A Unesp avaliará, no Vestibular 2011, 5% a mais de candidatos em relação ao último exame, aplicado no final de 2009. O total de inscritos subiu de 76.518 para 80.319, segundo dados parciais de inscritos. O acréscimo de 3.801 candidatos é quase igual ao aumento no total de inscritos pelo convênio com Secretaria da Educação e Centro Paula Souza (este foi incluído a partir deste exame), com 22.454 candidatos neste ano, 3.445 a mais que no exame anterior, quando só participavam alunos da Secretaria.

A relação candidato/vaga será divulgada em breve. No ano passado, as carreiras mais procuradas foram Medicina (129,2 candidatos por vaga), Direito (55,5), Arquitetura e Urbanismo (36,7) e Engenharia de Produção Mecânica (31,6).
Os inscritos agora devem aguardar a convocação para a primeira fase. A consulta estará disponível nos sites da Unesp (www.unesp.br) e da Fundação Vunesp (www.vunesp.com.br), organizadora da seleção, a partir de 22 de outubro. A prova está marcada para 14 de novembro, em 30 cidades paulistas e em quatro capitais (outros Estados e Distrito federal). O resultado da primeira fase também será publicado nos sites da Unesp e da Vunesp, em 3 de dezembro. A segunda fase será aplicada nos dias 19 e 20 de dezembro.
O calendário completo e as informações sobre os exames podem ser consultadas no Manual do Candidato, disponível nos sites de Unesp e Vunesp.

Estudo e trabalho, trabalho e estudo

Monday, October 18th, 2010

Ouvimos na escola a todo instante frases como esta: Quando me formar, trabalharei muito para vencer.

Se prestarmos a devida atenção ao que esta frase realmente significa, verificaremos que ela coloca três questões bastante importantes para reflexão. Primeira questão: a frase como um todo representa um desejo pessoal, uma promessa de se tornar um profissional competente pelo trabalho. Segunda questão: a frase é a expressão de uma realidade atual e de uma realidade futura: a realidade atual é a do estudo, do esforço pela formação; a do futuro, pelo esforço do trabalho profissional. Terceira questão: a frase opera uma aproximação de conteúdos entre estudo e trabalho, que leva a indagar: estudar é uma coisa e trabalhar é outra? ou entre estudo e trabalho há mais semelhanças que diferenças?

Este é o ponto. Ao separarmos normalmente os conteúdos de estudo e trabalho acabamos operando, sem querer, uma desvalorização do sentido de estudo. Parece que este é apenas preparatório, uma ruela para chegar à grande avenida, uma estrada vicinal para atingir a rodovia. Será isso mesmo? Bem pensado, não. A diferença entre estudo e trabalho é questão de detalhe. Estudar é, sob muitos aspectos, trabalhar. E, muitas vezes, é mais difícil estudar que trabalhar. O candidato que se prepara para o vestibular teve de percorrer um longo caminho: nove anos de ensino fundamental e três anos de ensino médio de muito esforço, muita determinação. E, se isso ainda não bastou, a maratona continua com um ou mais anos de cursinho, o que sempre significa esforço redobrado na maior parte das horas do dia.

Alguém pode comentar que o trabalho é remunerado, e o estudo, não. Como não? Uma das remunerações desses doze ou mais anos de estudo é justamente a aprovação no vestibular: é uma bela remuneração. Além do mais, é preciso considerar que o estudo traz uma remuneração permanente, que é o desenvolvimento dos conhecimentos, habilidades e da própria personalidade do estudante. Quem estuda está sempre ganhando essa remuneração.

Outro aspecto a observar: mesmo não sendo aprovado em exames vestibulares, um estudante não perdeu sua remuneração: ao contrário, a formação que recebeu ao longo de mais de doze anos de ensino fundamental, médio e preparatórios permite-lhe encarar o futuro sem medo. Está preparado e, se continuar tendo esforço e determinação, poderá obter, numa carreira ou numa atividade não universitária, um sucesso equivalente ou até maior do que obteria com um diploma. A vida está repleta de exemplos de pessoas que não cursaram ensino superior e tiveram sucesso enorme em outras atividades, sucesso muitas vezes maior, tanto em termos de realização profissional como financeira.

Em conclusão: há mais semelhanças do que diferenças entre estudo e trabalho. Quem trabalha, ao mesmo tempo em que produz algo, se produz como profissional e como homem. Quem estuda, ao mesmo tempo em que constrói conhecimentos, se constrói como profissional e como homem, tornando-se apto a enfrentar qualquer desafio que o futuro venha a apresentar.

Não tenha dúvida ou receio de dizer, portanto, depois de um dia extenuante de preparação para os exames vestibulares: Ganhei meu dia. Trabalhei bastante hoje.