Archive for July, 2010

Ah! Esses pronomes objetivos!

Tuesday, July 27th, 2010

             É errado, quando conversamos em casa, ou no clube com nossos amigos, falar Eu avisei ele, mas não me ouviu?

            Claro que não é errado. No discurso coloquial brasileiro empregar ele, ela como pronomes objetivos é uma constante há muito tempo, e ninguém deve preocupar-se com isso. Todavia, quando a situação do discurso sai do coloquial para o formal, culto, tudo muda de figura. Se escrevermos Pedro desprezou ela numa redação dissertativa de exame vestibular, teremos realmente cometido um erro, porque não estaremos levando em conta que a redação dissertativa de exame vestibular deve seguir a norma culta da língua portuguesa, que solicita outra forma, a do pronome objetivo. A norma culta aponta os pronomes pessoais do caso reto, como ele, ela, para a função de sujeito oracional; para as funções de objeto existem os pronomes pessoais do caso oblíquo: o, a, os, as, lhe, lhes, se. Por esta razão, as duas orações exemplificadas acima deveriam, caso se tratasse de discurso culto, quer escrito, quer oral, apresentar-se do seguinte modo: Avisei-o, mas não me ouviu. Pedro a desprezou (ou desprezou-a).

            Esse emprego dos pronomes subjetivos ou objetivos já apresenta algumas dificuldades, pois o usuário tem de perceber as funções de sujeito ou de objeto que são preenchidas. As dificuldades aumentam, entretanto, em virtude de os mencionados pronomes objetivos apresentarem variantes, podendo surgir, conforme a posição e as desinências verbais, como o, a, os, as ou lo, la, los, las ou no, na, nos, nas. O surgimento dessas variantes tem toda uma história na evolução do latim vulgar para a língua portuguesa. Não é o momento, porém, de mencionar os fatos históricos, mas de fornecer ao vestibulando uma boa dica para saber fazer a transição do discurso coloquial ao discurso culto. Leia atentamente as quatro dicas seguintes e não errará mais:

 

            Primeira dica – Se o pronome objetivo aparecer anteposto ao verbo, apresentará, conforme o gênero e o número, as formas: o, a, os, as. Exemplos: Não encontrei minha colega em casa – Não a encontrei em casa. Não encontrei meu colega  em casa – Não o encontrei em casa. Não encontrei minhas colegas em casa – Não as encontrei em casa. Não encontrei meus colegas em casa. – Não os encontrei em casa.

            Segunda dica – Se o pronome objetivo aparecer posposto a formas verbais terminadas em -r, -s e –z,  eliminam-se -r, -s ou -z e empregam-se, conforme o caso, lo, la, los, las. Exemplos: Vou retirar o livro – Vou retirá-lo. Vou partir o prato – Vou parti-lo. Vou compor a canção – Vou compô-la. Vou vender o carro – Vou vendê-lo. Note nestes exemplos que, ao perder o -r a forma verbal passa a obedecer a outra regra de acentuação: retirar, partir, compor, vender são oxítonos terminados em -r, que não se acentuam, mas, ao perder o -r, mudam de configuração acentual, tornando-se vocábulos oxítonos terminados em -a, -e, -o, que devem ser acentuados (retirá, compô, vendê); já partir, ao perder o -r, passa a ser um oxítono terminado em -i, que também não deve ser acentuado (parti).

            Terceira dica – E se o pronome objetivo aparecer posposto a formas verbais marcadas por finais nasais: -ão, -õe, -m? As formas verbais não se alteram e a variante pronominal a ser empregada passa a ser -no, -na, -nos, -nas. Exemplos: Retiraram o livro – Retiraram-no. Os policiais dão o desaparecido por morto – Os policiais dão-no por morto. Põe as mãos sobre a mesa – Põe-nas sobre a mesa.

            Quarta dica – E se o pronome objetivo aparecer posposto a formas verbais marcadas por finais com vogais ou ditongos orais: -o, -a, -e, -ei, -ou, etc.? As formas verbais não se alteram e a variante pronominal a ser empregada passa a ser -o, -a, -os, -as.  Exemplos: Busca a glória – Busca-a. Quero meu livro agora – Quero-o agora. Encontrei as peças – Encontrei-as. Procurou os computadores – Procurou-os.

            Como você observa, não é tão complicado assim. Algumas curiosidades relacionadas a essas dicas serão apontadas em outro texto.

            Pode continuar, portanto, em situação de discurso coloquial, falando Avisei ele, Desprezou ela. Mas, no discurso formal, culto, como é o da dissertação de vestibular e também o das respostas às questões discursivas, observe a norma culta: Avisei-o, Desprezou-a.       

Aviso aos navegantes

Tuesday, July 27th, 2010

            Agora que foi encerrado o Vestibular Meio de Ano da Unesp, aqueles que pretendem fazer o do final do ano têm um excelente material em mãos para estudar: as provas da primeira e da segunda fases do que acaba de se encerrar. Como diria Castro Alves, para nós, neste momento, ‘Stamos em pleno mar.  E é preciso navegar com a maior segurança possível e com a maior certeza possível de atingir com segurança o porto.

            Se é fato que o estudante aplicado não precisa ter muito receio dos exames, fato é também que o conhecimento das provas já aplicadas constitui uma ajuda importantíssima, pois todas são elaboradas segundo uma metodologia que também será aplicada na elaboração das provas futuras. Voltando ao verso de Castro Alves, se nos tornarmos capazes de detectar a natureza, a forma e o tamanho das ondas, bem como as turbulências das correntes, nossa navegação se tornará mais segura. Já fizemos algumas observações a este respeito em textos postados anteriormente, mas sempre é possível apontar detalhes antes não observados, com o objetivo de facilitar o trabalho dos candidatos nos próximos exames. Neste ponto é bom chamar atenção para uma diferença de perspectivas: uma coisa é fazer de fato as provas; outra, estudá-las com atenção para detectar aquilo que em latim se denominaria modus operandi, ou seja, modo de fazer, de elaborar. As universidades não alteram de ano para ano seus métodos de elaboração de exames, nem tampouco o estilo das questões das provas. E serão essas constantes uma boa base para você ficar ainda mais preparado.

            A Unesp alterou em parte sua metodologia, e é provável que uma nova alteração esteja bem distante. A nova forma do vestibular da Unesp agora já forneceu dois exemplos a você: o do ano passado e o de meio de ano, ora encerrado. Então, trate de fazer esse estudo atento agora, procurando verificar os tipos de questões, os tipos de resposta apresentados, os modos pelos quais as questões são enunciadas, o vocabulário empregado nas questões das diferentes áreas. Vale até, se você não fez o vestibular meio de ano, começar o processo resolvendo todas as questões, como se estivesse em pleno vestibular. Isso ajudará bastante, inclusive em termos psicológicos, porque, como sabemos, muitas vezes a própria tensão de estar fazendo um vestibular pela primeira vez pode ser um fator negativo, que conduz a respostas erradas devido a uma leitura ou uma abordagem nervosa das questões.

            O que aconselhamos aqui você pode repetir com os exames já realizados das outras universidades cujo vestibular você pretende prestar. Estar familiarizado até com o modo de serem enunciadas as questões é um fator positivo a mais para você. Evidentemente, quando estiver analisando as questões, valerá muito a pena parar, sobretudo naquelas que você, ao fazer a simulação, errou. Vale a pena parar, ir aos livros em busca dos conhecimentos necessários, fazer comparações com questões de outras provas ou até mesmo de seus livros didáticos e suas apostilas. O número e a natureza das questões que você errar, em cada prova, são um excelente indicador dos conteúdos que você precisa estudar mais, ou reestudar mais.  

            Uma outra dica importantíssima, que, de resto, vale para todos os vestibulares, é observar os gêneros de textos utilizados nas provas: textos literários, textos teatrais, textos jornalísticos, textos científicos, tiras, cartuns, charges, gravuras, pinturas, fotografias. Constituem eles excelente indicação para você, em termos de leitura habitual ao longo do ano. Quem não é leitor habitual de tiras ou charges, por exemplo, e se depara com uma num exame, talvez não reúna, por inexperiência, a necessária “malícia” para detectar os objetivos da pergunta em função do conteúdo do texto. Neste caso, qual a conclusão que se impõe: o vestibulando deve ler mais, deve se interessar pelos mais variados tipos e gêneros de textos, em especial daqueles que comumente são explorados em provas de vestibulares.

            Ao fazer isso, ao se tornar leitor e apreciador habitual desses textos, você não apenas estará mais preparado para os exames futuros, como também passará a assimilar conteúdos de alto valor cultural e artístico, que representarão um importante e saudável complemento a sua formação como homem e como cidadão.

Unesp publica resultado do Vestibular Meio de Ano

Wednesday, July 21st, 2010

   Os candidatos já podem verificar o resultado do Vestibular Meio de Ano da Universidade Estadual Paulista (Unesp). A consulta para saber os nomes dos 550 convocados para matrícula nos 13 cursos disponíveis, além dos 1.240 candidatos incluídos na lista de espera, pode ser feita aqui.
   A matrícula dos convocados será realizada no dia 26 de julho, das 9 às 18 horas, na unidade onde funciona o curso escolhido pelo candidato. No mesmo dia, começa a etapa de declaração de interesse por vaga para os relacionados na lista de espera, feita exclusivamente pela Internet, neste site, até as 18 horas do dia 27 deste mês. Para estes candidatos, o resultado de eventuais vagas remanescentes será divulgado no dia 28, também pelo site.
   Os documentos necessários para realização de matrícula são: certificado de conclusão do ensino médio ou equivalente; histórico escolar do curso do ensino médio; certidão de nascimento ou casamento; cédula de identidade ou Registro Nacional de Estrangeiro (RNE); título de eleitor, para brasileiros maiores de 18 anos; Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou protocolo de solicitação; certificado que comprove estar em dia com o serviço militar, para maiores de 18 anos. Deverão ser levadas duas cópias autenticadas em cartório ou cópias simples acompanhadas do original para cada um dos documentos. Também será necessária a apresentação de duas fotos recentes 3X4.

A Copa é aqui: vencer é sempre possível

Friday, July 16th, 2010

            Com o fracasso de nossa seleção de futebol na Copa do Mundo da África do Sul, desligamos a televisão e tudo volta ao nosso campeonato individual, em que colhemos por vezes derrotas, por vezes vitórias. A seleção nos proporciona, de quatro em quatro anos, momentos mágicos ou momentos trágicos. Em nosso campeonato individual, a disputa é no dia a dia: o grito da vitória já é o anúncio da nova etapa a vencer. 

            Realmente, se pensarmos bem em tudo o que fazemos, em toda a nossa luta permanente por sucesso, descobrimos que cada um de nós é muito mais vezes campeão, na própria vida, do que a seleção canarinho.  E com muito mais merecimento. Nosso trajeto escolar é um belo exemplo disso: dos seis aos quinze anos enfrentamos um ensino fundamental que, se traz prazer e satisfação muitas vezes, traz também a todo momento desafios e obstáculos que nem sempre conseguimos transpor sem decepções e até mesmo sofrimento. A escola instaura em nós, por bem ou por mal, um espírito de competição: temos de tirar boas notas para ser admirados pelos professores e fazermos a alegria de nossos pais; temos de ter rendimento maior que nosso colega ao lado, que vive dizendo que “é o bom”. Os meninos buscam tirar notas melhores que as meninas, porque a mentalidade machista não admite o contrário. E é uma façanha suplantar as garotas, porque são geralmente aplicadíssimas, supercompetitivas e, em muitos casos, realmente invencíveis.

            Terminado o fundamental, a competição passa a tomar conta oficialmente do calendário. Se escolhemos um curso técnico, temos de prestar um exame de seleção, porque sempre há mais candidatos que vagas. Se não temos muitas posses, mas queremos uma escola particular, temos de fazer exame para obter bolsas de estudo.  Sem falar que em muitos casos escolas públicas muito procuradas também têm de selecionar os candidatos.

            Ao longo de todo o ensino médio, não se fala em outra coisa, senão em vestibular. Assim, infelizmente, embora não seja o desejo das universidades públicas direcionar todo o ensino pédio para o funil do vestibular, é isso o que de fato acaba acontecendo: tudo caminha para os portões de entrada das universidades públicas. E eis-nos aqui, neste momento, diante de mais uma etapa, uma final de copa que não queremos perder. Mas… e se perdermos?!

            É exatamente neste ponto que devemos ter um pensamento ponderado e objetivo. E se meu nome não estiver na lista de aprovados do Vestibular Meio de Ano da Unesp?

            Desejamos sinceramente que esteja, ficaremos felizes pela universidade e por você, mas… se seu nome não estiver na lista, não encare como uma calamidade. É uma tentativa que, por alguma razão objetiva, específica, falhou. O futebol é um excelente exemplo para este caso: a seleção canarinho era competente, tinha ótimo treinador e jogadores, até vencera a Copa das Confederações, no ano passado, no mesmo lugar, mas, nesta Copa do Mundo, perdeu uma partida que não podia perder e ficou fora da disputa. Foi culpa do juiz japonês, que não sabia apitar? Não foi. Foi fulpa do Dunga, que não escalou direito? Não foi. Foi culpa dos jogadores, que não deram tudo de si? Não, os jogadores deram tudo de si no jogo, como você deu tudo de si na prova. Mas certos fatores, que uma análise cuidadosa, sem paixão, pode descobrir, influíram e causaram a derrota.

            O que concluir da comparação? Algo muito importante para nossa vida prática. Perder ou vencer é do jogo. Perder ou vencer é do jogo da vida. Nenhuma vitória é final, nenhuma derrota é definitiva. Os campeonatos, mundiais ou não, se sucedem. Ao vestibular do meio do ano se seguem os de fim de ano, da Unesp e de outras universidades. Aquele que deseja ser aprovado, se continuar determinado a estudar, será aprovado. A aprovação pode ser ou parecer mais fácil para alguns candidatos que não tiveram grandes problemas nos ensinos fundamental e médio. Pode ser ou parecer difícil para outros. Mas não é impossível para ninguém.

            É muito contada em nosso país a estória de um pequeno fabricante de rodas de automóveis que levou muitas vezes, ao longo dos anos, para uma indústria de automóveis, protótipos que eram sempre reprovados, em virtude dos defeitos que a análise dos especialistas revelava, até que na décima segunda tentativa o protótipo foi considerado adequado e o pequeno fabricante passou a produzir para a fábrica, tornando-se um grande fabricante. Eis aí um belo exemplo para refletir. Obstinação, confiança, esperança, esforço pessoal são os ingredientes da vitória. Cada um de nós joga muitas copas na vida e, mesmo perdendo algumas, pode vencer outras.

            Deste modo, se seu nome estiver nesta lista, festeje, porque mereceu. Se não estiver, não desanime, porque, pelo seu esforço, estará na próxima.

Unesp divulga calendário completo do Vestibular 2011

Monday, July 12th, 2010

            Está definido o calendário do exame para ingresso em 2011 da Universidade Estadual Paulista (Unesp). As inscrições serão realizadas de 8 de setembro a 8 de outubro, pela internet, no site. A taxa é de R$ 110,00.

            Serão oferecidas 6.484 isenções para socioeconomicamente carentes, mesmo número de vagas oferecidas para as 155 opções de cursos disponíveis no Vestibular e distribuídos em 28 unidades localizadas em 19 cidades de todas as regiões paulistas. Para concorrer ao benefício, os candidatos deverão se cadastrar no site da Vunesp, de 9 a 15 de agosto, da mesma forma que os candidatos beneficiados pela Lei Estadual 12.782, com direito a 50% de redução no valor da taxa.

            Os candidatos de último ano do ensino médio em escola pública do Estado de São Paulo terão direito a redução de 75% no valor da taxa. As escolas receberão as senhas para que possam permitir ao aluno o cadastramento para impressão do boleto no valor de R$ 27,50.

                A Unesp utilizará a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2009 ou 2010 para composição da nota final, representando 10% do cômputo total para cursos sem provas de habilidades, aplicadas especificamente para todas as carreiras oferecidas na capital e as de Arquitetura e Urbanismo, Design e Educação Artística, de Bauru. Para estes cursos, o Enem representará 6,66% da nota final, desde que sua pontuação seja superior à da Prova de Conhecimentos Gerais (primeira fase da Unesp).

            As datas de provas já estavam definidas desde a divulgação do calendário conjunto das universidades públicas do Estado. A primeira fase da Unesp acontecerá no dia 14 de novembro. O resultado desta fase e a convocação para a próxima etapa estão marcados para 3 de dezembro. As provas da segunda fase serão aplicadas nos dias 19 e 20 de dezembro, também em 34 cidades como na fase anterior, sendo 30 no Estado de São Paulo e Belo Horizonte, Brasília, Campo Grande e Curitiba. O resultado final será divulgado em 3 de fevereiro de 2011.

            No Vestibular 2010, a Unesp registrou 76.518 inscritos, o que representa uma média de 11,97 candidatos por vaga.