Arquivo de 28 de agosto de 2009

Filosofia, Artes e Educação Física não devem causar surpresa

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Filosofia, Artes e Educação Física nos exames vestibulares. Novidade? Só na forma, não no conteúdo. Os exames vestibulares da Unesp vinham já nos últimos anos focalizando conteúdos de Filosofia, Educação Física e Artes em questões das áreas de Ciências Humanas e de Língua Portuguesa e Redação. Agora, com a adoção dos Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio e a Proposta Curricular do Estado de São Paulo para o Ensino Médio, a abordagem dessas disciplinas nos vestibulares da Unesp ficou formalizada.  

Algo para surpreender? Nem para surpreender e muito menos para assustar. Conteúdos de Filosofia serão abordados nas provas de Ciências Humanas e suas Tecnologias. Conteúdos de Educação Física e Artes serão abordados nas provas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. O que isso significa? Que as provas, que sempre procuraram a intertextualidade e a interdisciplinaridade, agora o farão mais fortemente, o que favorecerá os candidatos, pois questões assim elaboradas oferecem mais elementos para a compreensão e para encontrar as respostas.

O estudante, porém, pode reclamar desse negócio chamado Filosofia. Para que Filosofia? Para complicar ainda mais o ensino? Errado. A inclusão da Filosofia no Ensino Médio foi um grande passo, pelo fato de conduzir os estudantes a hábitos de reflexão sobre a natureza do conhecimento e da verdade, bem como sobre as relações entre o homem e o mundo. De certo modo, é a Filosofia que dá consistência a todas as ciências, por ser a indagação primeira sobre a ciência e o saber. A condução dos estudantes à reflexão filosófica constitui um instrumento imprescindível para a sua formação, sendo esta uma razão suficiente para a inclusão de conteúdos de Filosofia em exames vestibulares. O mundo sem Filosofia seria um mundo de robôs, de máquinas pensantes sem o menor “desconfiômetro” para as razões de ser de todas as coisas. A Filosofia cria o hábito de pensar, de refletir, de questionar, de buscar conhecimentos e soluções. Com a Filosofia, o homem se torna crítico e autocrítico. Ou seja, se torna realmente Homem. Valeu? E como valeu!

Assim também a inclusão formal de Artes e de Educação Física nas provas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias reflete o desenvolvimento que estes conteúdos estão tendo no Ensino Médio. Está começando a ocorrer uma verdadeira revolução no ensino destas duas disciplinas. Arte não se limita mais à literatura, mas abrange a música, a pintura, a escultura, o desenho, o teatro, o cinema, a televisão, além das numerosas expressões de arte popular. Todo homem é, de certo modo, um artista, e o ensino tem de contemplar este fato, estimulando os estudantes não apenas ao conhecimento, mas também à prática da Arte. Assim poderão começar a se realizar muitas vocações. O mesmo deve ser dito para a Educação Física, que, na visão moderna de ensino, não se limita ao meramente “físico”, mas é entendida como uma atividade ao mesmo tempo física e intelectual, um conjunto de conhecimentos e práticas importantes para os estudantes, que os leva a valorizar aspectos como a comunicação e expressão corporal, bem como à relação entre atividade física e saúde, desenvolvimento físico e desenvolvimento psicológico, ou seja, que os leva a valorizar a Vida. Já os antigos gregos e romanos diziam que é preciso ter uma mente sã num corpo são. Isso é profundamente verdadeiro. 

É isso aí. Filosofia, Artes e Educação Física na escola e nos vestibulares? Que ótimo! Estamos mudando para melhor.