Unesp, uma potência

July 2nd, 2015

A Unesp é hoje uma das maiores potências de ensino e pesquisa superior no Brasil. Fundada em 1976, sendo, portanto, uma jovem universidade do estado de São Paulo, sua evolução foi verdadeiramente vertiginosa. Tem 34 unidades, hoje, em 24 municípios localizados de norte a sul e de leste a oeste do estado: Ilha Solteira, Franca, São José do Rio Preto, Araçatuba, Jaboticabal, Dracena, Tupã, Araraquara, São João da Boa Vista, Rosana, Presidente Prudente, Marília, Bauru, Rio Claro, Assis, Ourinhos, Botucatu, São José dos Campos, Guaratinguetá, Sorocaba, São Paulo, Itapeva, São Vicente e Registro. Observando-se o mapa de São Paulo, pode-se ver que esses 24 municípios praticamente cobrem todo o seu território e alcançam ainda amplas regiões de outros estados em termos de atendimento de ensino, pesquisa e extensão. A maioria dessas unidades da Unesp é formada por duas ou mais unidades, o que representa um vestibular dos maiores do país, com mais de cem mil candidatos inscritos para concorrer a vagas em 183 cursos muito bem ranqueados nos organismos especializados em avaliação de cursos universitários do país. Em 19 desses municípios, as unidades oferecem 232 cursos de pós-graduação em numerosas áreas e especialidades (120 mestrados acadêmicos, 12 mestrados profissionais e 100 doutorados acadêmicos). Estes dados, evidentemente, são de uma fonte de pesquisa que já pode estar modificada, porque a Unesp nunca para de crescer.

Tudo isso sem falar na excelente produção de pesquisa, na extensão, na pós-graduação lato sensu no EAD e nos convênios com instituições estrangeiras, que possibilitam inclusive a seus estudantes estágios em certas áreas e disciplinas.

Todo esse rápido desenvolvimento e essa pujança transformou a Unesp em uma das mais respeitadas instituições de ensino superior no país e no estrangeiro. Aquele que procura a Universidade, deste modo, quer em nível de graduação, quer em nível de pós graduação, está procurando uma formação ou uma especialização da mais alta qualidade, garantida por seus quase quarenta anos de atividades e permanente processo de aperfeiçoamento. Os graduandos e pós-graduandos da Unesp se espalham, hoje, por todo o país, levando às mais variadas localidades e instituições a formação recebida. Em instituições estrangeiras também podemos encontrar com facilidade os profissionais formados por nossa universidade.

No Portal da Unesp, na internet, você poderá encontrar todos os dados a respeito de nossa universidade: seus cursos de graduação, de pós-graduação, sua produção científica, número de estudantes, seus convênios, estágios, etc., etc., etc., para fazer uma ideia bem mais precisa a respeito e ter certeza de que, no vestibular de 2016, estará escolhendo  um dos melhores caminhos para a sua formação superior.

 

 

 

Espera e oportunidade

June 22nd, 2015

Agora que a segunda fase do Vestibular Unesp Meio de Ano está encerrada, o melhor conselho poderia ser relaxar e aguardar? Nada disso, meu irmão. Há algumas coisas a fazer antes de saírem os resultados.

Você talvez esteja pensando que tudo dependerá da nota que venha a tirar em sua aprovação: se reprovar, concluirá que terá de se preparar bem mais; se for aprovado com nota apenas razoável, ficará feliz com a oportunidade. E se for alta? Ficará tão feliz e otimista, que será até capaz de desistir da matrícula para prestar o vestibular de final de ano? Seria uma escolha pouco recomendável. Se prestou o exame vestibular do curso que pretendia e foi aprovado, não importa com que nota, agarre sua vaga. Todos os cursos da Unesp apresentam grande qualidade e formam excelentes profissionais, não importa se o vestibular seja de meio ou de fim de ano. Trocar o certo pelo duvidoso envolveria um risco muito grande.

Outra coisa a fazer ainda antes dos resultados é analisar bem os cursos das diferentes universidades públicas brasileiras, para verificar a qualidade dos da Unesp. Examine os currículos, os professores, as possibilidades de participar de pesquisas de iniciação científica, com bolsas, as possibilidades de intercâmbio com universidades estrangeiras conveniadas com a Unesp, depoimentos de formandos e as opiniões dos alunos que hoje fazem tais cursos. Tudo se encontra na internet. Com uma pesquisa desse porte, você com certeza fará sua matrícula, caso aprovado. Em resumo, tente obter todas as informações possíveis sobre o curso cujo vestibular está prestando. É importantíssimo saber o que a Universidade pode lhe dar.

No final, o Blogueiro tem certeza de que você tomará a decisão adequada e se tornará mais um membro da comunidade Unesp. E um membro bem informado, que saberá o momento de pleitear iniciação científica, solicitar complentação da formação em cursos de universidades estrangeiras, obter, enfim, tudo o que a Unesp pode lhe dar ao longo de sua formação.

Feita toda essa pesquisa de dados, pode relaxar e descansar. Os resultados da última prova logo virão e você poderá iniciar seu caminho vitorioso rumo a uma profissão de sucesso, quer na iniciativa privada, quer no serviço público, quer como profissional autônomo.

Seu futuro está perto. E será um ótimo futuro.

 

A vaga está perto, certo?

June 11th, 2015

Com a realização da segunda fase, sua vaga está mais perto. Você estudará numa universidade de grande qualidade, que tem professores e pesquisadores de competência reconhecida mundialmente, convênios com instituições estrangeiras e um lastro de pesquisas e publicações dos mais significativos do país.

Em todas as unidades da Unesp se verifica tal qualidade, não importando se o vestibular é de início ou meio de ano. O mesmo acontece com os vestibulares de inverno de outras universidades importantes. Portanto, se conquistar aprovação, agarre sua vaga para formar-se com toda a qualidade e se tornar um profissional universitário de excelente conceito.

O resto, é claro, dependerá de você, de seu esforço no trabalho e da determinação em superar todas as dificuldades que surgirem no caminho. É justanente devido a esse conjunto de virtudes que muitos profissionais formados por universidades que consideramos de menor porte conseguem maior sucesso profissional. Isso significa algo que se tornou comum na atualidade: homens com menor formação superam profissionalmente muitos outros com formação melhor. Por quê? Porque souberam encarar melhor os obstáculos da profissão e ultrapassá-los.

Felizmente, na Unesp, o ensino de primeira linha já lhe confere predicados para desempenhar bem sua futura profissão. Isso somado a suas características pessoais só poderá resultar em grande sucesso.

Por todos esses motivos, faça a prova com calma e confiança, certo de que a oportunidade finalmente chegou. Os esforços e os sacrifícios serão compensados neste momento de vitória. Alguns diriam, a tal respeito, que é o seu destino vencer. Diz o Blogueiro, com maior confiança, que cada um faz o destino de acordo com a capacidade de lutar. É o seu objetivo ingressar em uma grande universidade e você está perto de atingi-lo, não por um favor do destino ou dos deuses do Olimpo, mas por todo o empenho que vem tendo ao longo da vida para chegar a um momento de sucesso. Os exames vestibulares são dura prova, um primeiro encontro com a realidade da vida, durante a qual sua capacidade ainda será testada numerosas vezes. Vencer a primeira já cria um modelo positivo.

Acredite em você. Sua vaga está perto, certo?

Cuide dos homônimos e parônimos. E mais dos “enganônimos”

June 8th, 2015

O Blogueiro hoje está um tanto eufórico, e por isso se dá o direito de fazer uma brincadeira, criando um vocábulo de um modo não muito convencional, que os gramáticos horrorizariam. Na verdade, trata-se de uma criação ad hoc, um neologismo de ocasião, inventado com uma boa finalidade. O povo vive fazendo isso e volta e meia acaba dando certo: a nova palavra, mesmo mal formada, ganha a bênção do uso popular e acaba ingressando no vocabulário comum.

Não é essa a intenção do Blogueiro, mas simplesmente servir-se da brincadeira com uma finalidade didática, para auxiliar mais ainda os vestibulandos. Você sabe que os homônimos são palavras que se pronunciam ou se escrevem de maneira idêntica. É possível, portanto, confundi-los. E que os parônimos são palavras com grande semelhança, quer na pronúncia, quer na grafia ou em ambas. São também, perigosos, porque podem induzir o leitor a enganar-se redondamente, atribuindo a uma das formas o significado da outra, como, por exemplo, entender apelo (chamamento, substantivo em que o “e” é fechado), quando o contexto indica que se trata de apelo (presente do indicativo do verbo apelar, com “e” aberto). A confusão surge em virtude de os vocábulos serem homógrafos (grafia idêntica), mas não homófonos. Note que, conforme o contexto, a atribuição do significado de uma dessas palavras a outra pode criar um sentido totalmente errado para a frase como um todo. O mesmo pode ocorrer com centenas de palavras, como arrojo (ousadia, coragem, com “o” fechado) e arrojo (presente do indicativo de arrojar, “arremessar, lançar”, com “o” aberto”), cerca e cerca, decoro e decoro, etc.

Evidentemente, com um pouco de atenção, tanto os homônimos como os parônimos oferecem menor risco, já que o contexto e as classes gramaticais das palavras envolvidas constituem pistas suficientes para a identificação da forma.

O grande perigo, porém, está nos “enganônimos”, ou seja, no fato de uma leitura menos atenta nos levar a ver no texto uma palavra muito parecida com a que está escrita. Em certo vestibular, na proposta de redação, constava a expressão uma questão de conveniência. Muitos vestibulandos, em leitura desatenta e apressada, entenderam convivência em vez de conveniência, o que mudava completamente o significado da expressão e da própria proposta de redação. Perigoso, não é? O mesmo pode acontecer com pares de vocábulos como usuário e usurário, investimento e divertimento, instalado e entalado, previdencial e residencial, envidar e evitar, além de centenas de outros.

Cuidado, portanto, quer na leitura de questões, quer nas suas respostas ou até mesmo na sua redação. As traições da memória são muito conhecidas: basta uma pequena distração para interpretar um sentido equivocado com base numa confusão de formas. Nossa língua, com toda a sua riqueza, ou até mesmo por causa de toda a sua riqueza, possibilita essa confusão.

Como sair deste embrulho? Saber ler é uma técnica e ao mesmo tempo uma arte. É preciso exercitá-las o tempo todo para evitar trocas eventuais e consequentes decepções.

Entendeu? Então leia o que deve ser lido e não o que sua mente distraída pode de repente inventar e projetar no texto.

 

Tiras, charges e vestibulares

May 27th, 2015

Tornou-se comum, nas provas de diferentes disciplinas dos exames vestibulares, o emprego de tiras e charges. Você por certo já fez provas ou simulados em que surgem esses e outros textos análogos. A justificativa para essa utilização reside não apenas no fato de se tratar de textos com muita qualidade de conteúdo, atuais, mas também largamente utilizados na mídia: jornais, revistas, internet.

Aparentemente, as questões baseadas em charges e tiras parecem facilitar tudo. Nem tanto. Como exploram aspectos da realidade por meio de muito humor, de ironias refinadíssimas e, mesmo, sarcasmos, a aparente facilidade devida ao tamanho se torna ilusória. A utilização extremamente inteligente de recursos expressivos nos planos das imagens e do discurso torna charges e tiras muitas vezes mais ricas em significações que textos de maior extensão. Os cartunistas possuem uma formação intelectual muito refinada e se tornam, com suas obras, verdadeiros críticos da realidade social, em que a política e os políticos são, em boa parte das vezes, o principal alvo.

Para compreender bem charges, tiras, caricaturas, portanto, é preciso estar plugado, como estão os seus autores, na realidade circundante. É preciso ter boa dose de raciocínio e malícia, ter plena noção de tudo o que vai no país e é noticiado na mídia. E, sobretudo, é necessário conhecer razoavelmente recursos expressivos como o da ironia, da metáfora e da alegoria. Tudo isso, mais um pouco de espírito lúdico, fornece os elementos necessários para não tropeçar nas divertidas críticas que charges e tiras apresentam.

Esteja alerta, portanto. A facilidade dos textos produzidos pelos cartunistas esconde na realidade estruturas de complexo raciocínio, que se expressa pelo humor, pela ironia, pelo sarcasmo, pela alegoria, pela sátira, pelas alusões filosóficas e princípios éticos. Estas qualidades justificam sua presença em provas de concursos e de vestibulares.

Não vá perder pontos preciosos menosprezando esses textos diminutos, mas muito densos e ricos em significados.

Valeu?

 

 

A melhor maneira de se preparar para a segunda fase

May 21st, 2015

Agora que a primeira fase do Vestibular Meio de Ano da Unesp foi realizada e você, com certeza, vai receber aprovação, prepare-se adequadamente para a segunda, respeitando os seguintes pontos:

 

1 – Em vez de alternativas a escolher, as respostas serão discursivas.

2 – A interpretação de texto será ainda mais importante para responder.

3 – A redação tem grande peso na média final.

 

O primeiro ponto é um alerta até para a forma de você estudar e se preparar. Em respostas a questões objetivas, a correta já vem escrita como uma das alternativas. Nas respostas discursivas, você é que tem de construir a correta. Tudo ficará, portanto, na dependência de seu discurso. Esta constatação demonstra que a forma de estudar está mudada. O tempo todo você deve imaginar perguntas sobre os pontos que estuda e redigir respostas adequadas. Com isso, estará se preparando para apresentar um discurso claro, objetivo e bem estruturado.

O segundo ponto ataca também um aspecto essencial: a interpretação. Nas questões de alternativas, se você não consegue de pronto a resposta correta, a interpretação pode surgir de comparações entre o que você entendeu numa primeira leitura e o que dizem as alternativas, até que você possa chegar à interpretação e à alternativa adequadas. O mesmo não é possível nas questões discursivas: você terá apenas a sua interpretação como guia. Por isso, será preciso uma leitura muito atenta e repetida da pergunta, para ter certeza do que é realmente indagado. Um pequeno erro de leitura da questão poderá levá-lo a um sério equívoco na resposta. Exercite-se mais, portanto, estudando enunciados de questões discursivas de vestibulares anteriores.

O terceiro ponto é igualmente verdadeiro: a redação tem peso valioso na nota. Intensifique suas práticas. Escreva mais redações sobre temas de outros vestibulares. Visite sites e blogues sobre vestibulares e redações: todos fornecem alguma informação útil. E não esqueça do que sempre o blogueiro alerta: redação não é sorte, é prática. Escreve-se bem na medida em que se pratica com regularidade o ato de escrever. Escritores não nascem sabendo escrever. Aprendem e, depois de muita prática, conseguem chegar a um estilo claro e eficiente para encorpar suas obras. Jornalistas, por exemplo, vão escrevendo cada vez melhor na mesma medida em que o tempo vai passando: cada dia é um novo exercício que os leva a aperfeiçoar mais e mais seu discurso. E você? Terá de praticar todo dia só para passar no vestibular? Nada disso. Como profissional de nível universitário, você terá de escrever muito durante seu curso, e muito mais fora dele, em relatórios, solicitações, artigos de divulgação e até mesmo artigos científicos, caso enverede para a pesquisa. Sem falar que profissionais de nível universitário são convidados a escrever para jornais, revistas e, mesmo, podem decidir escrever guias sobre o que fazem em seu trabalho diário e tudo o que acontece nele. Daí para tornarem-se escritores literários é só um passo. Há escritores que se formaram médicos, outros que se formaram engenheiros, e assim por diante. Em conclusão: a redação é um instrumento útil para a vida toda, independentemente da profissão.

Com estes alertas e muito empenho, pode ter certeza de que será aprovado também na segunda fase e poderá fazer o curso com que sonha. Boa sorte!

 

O inverno pode ser primavera

May 14th, 2015

Quem está prestando o Vestibular Meio de Ano da Unesp ou os de outras universidades públicas está abrindo com maior facilidade sua porta para o futuro, sem o atropelo dos vestibulares de fim de ano e com oportunidades redobradas de sucesso, em virtude do número bem menor de candidatos inscritos, isto é, de concorrentes a enfrentar. Se o curso que você pretende conquistar é oferecido num desses chamados vestibulares de inverno, não tenha dúvidas: são promissoras suas chances de aprovação.

Como já ficou dito em artigos anteriores, renovados todos os anos, os vestibulares de inverno de todas as universidades públicas surgem em virtude da criação de novos cursos, que, pela divisão das disciplinas em semestres, tiveram de iniciar na metade do ano. Deste modo, nada há que desvalorize ou descaracterize tais cursos, já que são ministrados nas mesmas unidades que oferecem cursos também no final de ano. A qualidade é idêntica, e assim também a formação obtida pelos estudantes. Os próprios exames têm o mesmo fundamento e a mesma característica.

Você que se inscreveu e está prestado os exames aproveite a oportunidade que tem de obter aprovação e, caso isso ocorra também na segunda fase, matricule-se com a certeza de que está dando um passo muito inteligente e lúcido pela sua formação profissional, em tudo semelhante ao que daria se fosse aprovado no final do ano.

Utilizar os vestibulares de inverso como aferição de suas potencialidades para os de final de ano é válido? Claríssimo que é. Mas tome cuidado para não se arrepender dessa decisão. As dificuldades enormes de aprovação no final do ano podem não ser uma boa meta e oferecem o risco de causar a extrema decepção de mais um ano sem acesso ao ensino superior. O simples fato de você estar testando suas possibilidades é uma prova dessa grande dificuldade. Por outro lado, todos os que aproveitaram a oportunidade oferecida pelos vestibulares de inverno se declaram satisfeitos com a escolha, por verificarem que a formação é a mesma, em alguns casos até mais rigorosa. A ideia dos vestibulares de fim de ano como uma griffe, portanto, não tem sustentação lógica.

Faça suas provas e não perca seu momento, caso aprovado. Esse negócio de curso de griffe é mero engano de avaliação. Mesmo que não o fosse, não seria a griffe que o faria melhor ou pior aluno, mas você e suas escolhas dentro do curso. Qualquer curso pode levá-lo a ser um profissional de primeira linha, como também a um emprego secundário pela vida toda. Dependerá de sua dedicação. Pense nisso. E pense também num conceito indiscutível sobre o ensino em qualquer nível: não é a escola que faz o aluno, é o aluno que faz a escola.  Em outras palavras: não é a escola que ensina, é o aluno que aprende.

Entendeu? Os fatos da realidade não devem ser avaliados com critérios subjetivos. A visão objetiva é o melhor instrumento de sucesso, qualquer que seja a carreira. Com objetividade, você pode até tornar o inverno a sua primavera.

Boa escolha! Boa sorte!

 

Letras míudas ou atenção redobrada?

May 7th, 2015

Você sabe que existem até leis que obrigam empresas, bancos, seguradoras e laboratórios a apresentar contratos e bulas com letras grandes e claras, sob a justificativa de que letras muito pequenas, difíceis de ler, podem induzir os clientes, usuários e pacientes a errarrem na interpretação. Esta justificativa é em boa parte verdadeira.

Há, por outro lado, uma ressalva a fazer. Em alguns casos, a questão não é propriamente a letra miúda, mas a maior ou menor atenção com que se lê e se interpreta um texto. Leituras apressadas podem gerar compreensão equivocada de certas passagens.

E aqui entramos no foco deste artigo: os guias do candidato nos exames vestibulares. Ninguém poderá dizer que se trata de textos de difícil leitura.  Ao contrário, são sempre elaborados em discurso de fácil entendimento, para ajudar, e não para atrapalhar. Todavia, por incrível que pareça, muitos candidatos não fazem a leitura mais atenta dos guias e acabam se complicando.

Estes equívocos dizem respeito desde os horários de ingressos nos locais e início das provas até as opções por cursos. Não são raros os casos em que candidatos perdem a chance de matricular-se por não manifestarem na data adequada, de acordo com as instruções do manual, o interesse pela matrícula.

Por que tais fatos ocorrem? Por estarem os manuais ou guias de candidatos escritos em letras miúdas? De jeito nenhum. Ainda mais com a publicação pela internet, os guias se tornaram textos de leitura tranquila. Então, por quê? Pelo mesmo motivo que rege a leitura de contratos e bulas: a necessidade de atenção redobrada na leitura. E atenção redobrada até mesmo nas passagens que parecem mais fáceis e óbvias, pois são justamente o fácil e o óbvio que induzem mais erros de leitura e interpretação em qualquer tipo de texto.

Percebeu? O guia do candidato não é apenas um documento bonito e bem escrito. Contém as informações úteis e importantes para todo o processo do vestibular. Requer atenção redobrada, tão redobrada quanto você utiliza no estudo do conteúdo de suas apostilas.

Como costuma dizer o povo, portanto, nessa questão não brinque em serviço. Vale dizer: não transforme um instrumento de auxílio em um motivo de prejuízo.

 

 

O que é que há com o verbo haver?

May 5th, 2015

Muitos estudantes saem do Ensino Médio com a ideia de que saber escrever é resultado de técnicas aprendidas ao longo de seus cursos e cursos de redação dados por especialistas. Esta é uma parte da verdade, não a verdade inteira. O melhor método de redação do melhor especialista não lhe ensinará muita coisa, se você não conquistar o domínio da construção de frases adequadas, que se organizem com harmonia na produção progressiva do sentido gloobal do texto.

O blogueiro está querendo dizer que uma boa construção de frases é o passo principal para uma boa construção de texto. Veja um exemplo dos mais interessantes: o verbo haver. Você pensa que conhece tudo desse verbo? Se conhece, está de parabéns, deve conhecer também muitos outros. Se não conhece, está na hora de desconfiar que há muita coisa na construção de frases que precisa dominar. Considere estes exemplos apresentados no Dicionário Aurélio:

1. Todos houveram medo de se envolver na questão.
2. Houveram que era convardia suportar semelhante afronta.
3. Há pessoas que nunca conseguem um amigo.
4. Houve algumas vezes desentendimentos entre os dois.
5. Havia meses que não chovia.
6. Os sentenciados houveram do juiz a comutação da pena.
7. Todos o havemos por inteligente.
8. Não há entender o comportamento de certas pessoas.
9, O centroavante se houve com grande esforço na partida.
10.  Eusébio não sabia haver-se com mulheres.
11. Marta houve por bem não se cansar com Maurício.
12. Bem hajas tu, que obtiveste a solução do problema.

Notou a beleza do leque de significados do verbo haver? Este verbo não lhe parecia antes meio fraquinho, um tanto anêmico, nada mais que uma palavrinha a surgir de vez em quando nas frases? Pois é. Agora percebe mais uma vez o acerto do ditado popular: As aparências enganam. No exemplo 1, haver significa sentir, experimentar. No segundo,  significa consideraram, julgaram. No terceiro, existir (sempre lembrando que, neste sentido, haver é um verbo impessoal, empregado na terceira pessoa do singular). No quarto exemplo, o significado do verbo é suceder, acontecer, ocorrer. No quinto, é o mesmo de fazer, como expressão de tempo transcorrido: havia (fazia) meses que não chovia. No sexto exemplo, haver  significa obter, conseguir, alcançar. No sétimo, julgar, supor, considerar.  Já no oitavo exemplo o significado é o de existir meio de, ser possível: não existe meio de entender o comportamento de certas  pessoas; não é possível entender o comportamento de certas pessoas. No nono exemplo, haver-se significa portar-se, comportar-se, proceder. Na décima frase, haver-se equivale a entender-se, relacionar-se, arranjar-se. No décimo exemplo, muito elegante é a locução haver por bem, no sentido de decidir-se, resolver. E a última frase, com o verbo haver precedido pelo advérbio bem, expressa um bom desejo, uma previsão positiva a respeito de alguém.

Notou? Embora tenham sido colocadas apenas algumas possibilidades de emprego e significação, você faz uma boa ideia agora da riqueza expressiva de um só verbo da língua portuguesa. Imagine quantos mais oferecem essa gama de possibilidades.

Dá para perceber, agora, o grande repertório necessário para ser um bom escritor, não dá? Não se espante se não tiver conhecimento de boa parte dos empregos do verbo haver acima, bem como das próprias construções que provocam. Experimente consultar dicionários para familiarizar-se com os usos e os sentidos que ainda não conhecia. É um bom exercício, que não deve parar no verbo haver, mas alcançar muitos outros. O verbo é o sol, o núcleo do sistema da oração, e quanto mais formas verbais e suas variações de significado e capacidade de estruturação frasal dominarmos, mais flexibilidade e criatividade de discurso conquistaremos.

Compreendeu? Este é o filão da mina de diamantes do melhor discurso, exatamente aquele que você procura. Mãos à obra! Apreenda a ser um bom minerador!

Haja vista, hajam vista. Difícil? Que nada!

April 24th, 2015

Se você é daqueles que não gosta de errar, mas não quer deixar de usar expressões que atribuem certo charme de bom escritor a seus textos, por certo já esbarrou em dúvidas sobre o emprego de haja vista e construções semelhantes. Esta expressão significa, de fato, veja, observe, note e acepções semelhantes. E muito provavelmente algum colega já reparou em seu texto para dizer: Escreveu errado, meu amigo! E você acaba não tendo certeza se errou mesmo, ou se seu amigo é que não sabe nada a respeito e imagina que sabe.

Para dirimir tais dúvidas, mestre Arthur Schwab apresentou dez exemplos em seu livro Louçanias de Linguagem. Observando-os com olhos atentos e vontade de aprender de uma vez por todas, você descobrirá que o uso prático de haja vista é bastante elástico em termos de diferentes construções gramaticais, de sorte que o mais difícil, no caso, parece ser não acertar. Eis os dez exemplos pesquisados por Arthur Schwab e dados por ele como português correto:

Hajam vista os lances que seguem. (Sá Nunes)
Haja vista dos excertos seguintes. (Id.)
Haja vista, por exemplo, ao que se encontra no Manual do Cristão (Id.)
Haja vista a esses magníficos exemplos. ((Id.)
Haja vista os teus favores às obras do porto da Bahia. (Rui Barbosa)
Hajam também vista as frases… (Cândido Lago)
Haja vista ao Soares dos Passos. (Castilho)
Haja vista às tão graciosas e admiráveis fábulas de La Fontaine. (Id.)
Hajam vista exemplos tais de autores lusitanos. (Lindolfo Gomes)
Haja vista dos elos que eles representam na cadeia da criação. (Camilo Castelo Branco).

Percebeu a moral da estória? Não? Então entenda assim: o emprego de haja vista é muito variado, praticamente não há possibilidade de errar. Guarde esses dez exemplos com que o mestre procurou cercar a maioria dos empregos. Compare a frase em que você usou a construção com tais exemplos. Muito provavelmente vai ter a mesma estrutura sintática de algum deles. Pode empregar então sem susto. Em pouco tempo você não precisará consultar mais os dez exemplos e saberá o que fazer, sem ter de folhear gramáticas e decorar regras.

Aproveite esta lição: boa linguagem é bom uso, não é ter dez gramáticas na estante. Se começar a observar com mais atenção os usos dos bons escritores que você tem de ler para os exames vestibulares e que continuará lendo ao longo da vida para manter sempre um discurso elegante, não tenha dúvidas de que acabará escrevendo cada vez melhor. E isso é muito importante hoje em dia. Em qualquer profissão, quem escreve bem está três passos adiante dos concorrentes.

Ah! E não confunda: internetês é uma linguagem; português é outra, cada qual válida e eficiente em seu próprio contexto. Valeu?